Coroado pelo Chacrinha – Danilo Sá

Ruy Castro Colunista da Folha de S. Paulo Uma peça de teatro sacode Londres: “Rei Charles 3º”, de Mike Bartlett.…

Ruy Castro

Colunista da Folha de S. Paulo

Uma peça de teatro sacode Londres: “Rei Charles 3º”, de Mike Bartlett. Trata-se de uma comédia macabra envolvendo a família real britânica. Começa com a morte da rainha Elizabeth 2ª e a subida ao trono de seu filho Charles. A sucessão se complica quando, fiel a seus princípios, Charles viola uma cláusula pétrea das relações entre os poderes, recusando-se a chancelar determinado projeto do primeiro-ministro David Cameron.

A situação azeda e, para não passar por tíbio junto aos políticos, Charles dissolve o Parlamento e planta um tanque nos jardins de Buckingham. Temendo que a crise leve ao fim da Monarquia, o príncipe William, seu filho e primeiro na linha de sucessão, tenta convencer Charles a abdicar. A peça evoca tanto a violência de Shakespeare quanto alguns de seus personagens. Kate, mulher de William, incorpora o diabolismo de Lady Macbeth, e a falecida princesa Diana ressurge para Charles como um fantasma. Todos estão em cena com seus rostos e nomes.

“É a peça mais fascinante de lèse-majesté’ que o teatro inglês já viu”, escreveu um crítico. Há quem discuta sobre se ela não será cruel demais para com a família real. Outros se perguntam se, com sua ardente militância em questões de saúde e ambiente, Charles não imitará seu personagem e tentará tomar o freio nos dentes quando e se chegar ao trono. Mas não passa pela cabeça de ninguém que a peça deva ser proibida.

Enquanto isso, no Brasil, outro “rei”, muito mais cioso de sua majestade, volta a se declarar “favorável às biografias não autorizadas”, desde que “sejam feitos ajustes” nos textos a ser publicados. Ou seja, Roberto Carlos é contra a censura, mas a favor dela.

Na Grã-Bretanha, um príncipe de verdade paira sobre o que escrevem a seu respeito. Aqui, somos reduzidos a súditos de um “rei” coroado pelo Chacrinha. (Publicado na Folha de S. Paulo 21/05/2014)

IMPRENSA DE OLHO

A Folha de São Paulo está fazendo um balanço das obras de mobilidade e demais intervenções realizadas nas cidades-sedes da Copa do Mundo deste ano. O objetivo é mostrar como andam os projetos nesta reta final, já que faltam cerca de 20 dias para o início da competição no país.

CONTRA O TEMPO

E, para quem passa por perto das obras no entorno da Arena das Dunas, ainda é difícil acreditar que toda aquela montanha de ferro e cimento fique pronta até o final deste mês, como promete a Prefeitura. São muitos setores que ainda estão simplesmente na areia, longe de receber qualquer sinal de asfalto. Os dois viadutos (na Prudente de Morais e na marginal da BR-101) ainda nem parecem com vias para carros. Próximo da conclusão mesmo, somente o túnel da Romualdo Galvão.

CONFUSÃO À VISTA

A imprensa nacional também está de olho nas limitações que estão sendo impostas pela Fifa nas cidades. O bloqueio de tráfego no raio de 1 km ao redor dos estádios pode acabar causando muita dor de cabeça para os governos municipais. A maioria das cidades, como ocorre em Natal, estão cadastrando os moradores vizinhos para evitar maiores problemas.

JEITINHO BRASILEIRO

Em tempo: este colunista andou conversando com alguns engenheiros da nossa cidade, uns com muita experiência e outros ainda em início de carreira. Todos foram unânimes. Algumas obras que estão sendo executadas serão abertas para o uso da população antes mesmo do prazo necessário para a tal “cura” do concreto, o que condenará boa parte de sua vida útil, exigindo uma manutenção bem antes do normal.

VERGONHA

Continua alta a demanda de menores infratores que estão sendo, simplesmente, liberados pela Justiça por falta de vagas no sistema socioeducacional. O governo, quase no seu fim, não conseguiu concluir a reforma de nenhum Ceduc, muito menos ampliar as vagas, como é preciso no RN. Depois, se perguntam porque a violência está crescendo tanto no Estado. Lamentável descaso.

JUSTIÇA E MÍDIA

O Tribunal de Justiça lança no próximo dia 28, em solenidade que será realizada na própria sede do Judiciário, às 16 horas, a nova revista Jurisprudência. A publicação, dirigida pela desembargadora Zenaide Bezerra, será apresentada a imprensa e convidados pelo presidente do órgão, o desembargador Aderson Silvino.

ARTICULAÇÃO

Difícil acreditar em qualquer chance de rompimento do prefeito Carlos Eduardo Alves e do seu PDT com a chapa do pré-candidato a governador Henrique Alves. Ao que parece, tudo não passa mesmo de uma grande fumaça, na tentativa de conseguir os apoios prometidos ou algo a mais. Até por isso, o prefeito tem evitado se manifestar sobre qualquer assunto parecido.

DISPUTA

O vereador Sandro Pimentel está confirmado como pré-candidato a deputado estadual pelo Psol. A notícia foi divulgada pelo próprio senador Randolfe Rodrigues, provável candidato da legenda à Presidência da República. Já para o governo, o nome do partido será o do professor Robério Paulino, que já disputou a Prefeitura de Natal em 2012.

GIRA MUNDO

Está no Estadão de hoje. “O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira, 20, o projeto que institui uma reserva de 20% das vagas de concursos públicos federais a candidatos negros e pardos. A proposta, enviada pelo poder Executivo no final do ano passado ao Congresso e que já tinha sido aprovada pela Câmara dos Deputados em março, seguirá para sanção da presidente Dilma Rousseff. Pela proposta, a reserva de vagas vai ocorrer nos órgãos da administração pública direta, autarquias e fundações federais, assim como empresas públicas e sociedades mistas controladas pela União. A medida terá validade por dez anos.” No Brasil, o racismo agora está na lei.

Compartilhar:
    Publicidade