Corregedoria investiga participação de PMs em vídeo de homens baleados

Gravação tem cenas fortes e, após ser publicada em rede social, teve 720 compartilhamentos antes de ser retirada do ar

Vídeo que mostra suspeitos agonizando foi publicado no Facebook. Policiais militares podem ter feito a filmagem. Foto: Divulgação
Vídeo que mostra suspeitos agonizando foi publicado no Facebook. Policiais militares podem ter feito a filmagem. Foto: Divulgação

A Corregedoria da Polícia Militar investiga a participação de agentes da corporação na filmagem e publicação de um vídeo na internet que mostra três suspeitos agonizando após serem baleados. A suspeita é que os homens tenham sido feridos durante troca de tiros com policiais militares, após assalto na região de Itaim Paulista, zona leste de São Paulo. Se for confirmada a participação dos PMs, eles podem ser punidos.

O vídeo, que tem 43 segundos de duração, tem cenas fortes e mostra três homens feridos agonizando na calçada, quando se aproxima um outro com botas pretas e calça cinza, semelhantes ao uniforme da PM do Estado de São Paulo.

É possível ouvir, ao fundo, alguém dizer:”Vai ficar famoso, ladrão, morrendo aqui”. Uma das vítimas chama pelos filhos, e outra voz masculina diz: “Vai demorar aí, c., para morrer”.

A gravação, públicada no último domingo (13), teve 720 compartilhamentos e foi curtida ao menos 839 vezes, antes de ser retirada do ar, nesta terça-feira (15).

A página em que foi publicado este vídeo se chama “Polícia Do Estado De São Paulo”, mas a PM informa que não se trata de um perfil oficial da instituição. Lá também é possível ver fotos da ocorrência e nas imagens aparecem policiais militares fardados e carros da corporação. O vídeo foi retirado do ar.

Segundo a reportagem, dois dos três homens baleados foram internados no hospital Santa Marcelina. Um deles recebeu alta no mesmo dia e o outro segue internado, sob escolta policial. O terceiro envolvido na ocorrência morreu.

Ainda de acordo com o jornal, os três homens são suspeitos de tentar assaltar um caminhoneiro, que chamou a polícia. Houve perseguição e troca de tiros. Os suspeitos teriam batido o Uno, em que estavam e, em seguida, foram baleados.

Em nota emitida, a PM informou que o perfil em que o vídeo foi publicado não é oficial e que investiga a página. Informou também que investiga a participação de agentes da corporação na “captação e divulgação das imagens, fato que, se confirmado, poderá resultar punição ao(s) responsável (is).”

Leia a nota da PM na íntegra

A Polícia Militar esclarece que o perfil “Polícia do Estado de São Paulo”, na rede social Facebook, não é um dos perfis oficiais da Instituição, apresentando uma série de conteúdos impróprios. Por esse motivo, já está em curso uma investigação sobre o perfil, seu conteúdo e administradores.

Quanto ao caso apresentado, a Corregedoria PM está investigando se houve participação de policiais militares na captação e divulgação das imagens, fato que, se confirmado, poderá resultar punição ao(s) responsável (is).

É importante ressaltar que todo policial militar, assim como qualquer cidadão, pode postar aquilo que bem entender nas redes sociais, podendo, contudo, ser responsabilizado no campo civil, criminal e administrativo em caso de postagens que ofendam pessoas, instituições, que sejam contrárias à lei ou atentatórias à dignidade humana.

A Polícia Militar e suas unidades subordinadas possuem perfis oficiais, que servem como canais de comunicação da Instituição. Seus administradores recebem orientações constantes, sendo as páginas devidamente monitoradas.

Fonte: IG

Compartilhar: