Cratera na avenida João Medeiros Filho, acredite, abre pela terceira vez

Buraco abriu na noite de ontem e quase atingiu parada de ônibus

Abertura-de-cratera-na-Av-Joao-Medeiros-Filho-WR

Marcelo Lima

Repórter

Pela terceira vez em menos de um mês, a cratera na Avenida João Medeiros Filho, nas proximidades do viaduto de Igapó, foi reaberta. Além dos milhares de motoristas que passam pela via, quem sofre com o problema é o barbeiro Francisco Targino de Assis, que virou vizinho do buraco. Há 30 anos no bairro de Igapó, a sua barbearia agora é ameaçada pela cratera, que teima em retornar, desafiando a competência da Prefeitura de Natal e empresa de engenharia responsável pela restauração da via. Segundo Assis, dessa vez não houve grande estrondo como anteriormente. “Foi menos estrondo, foi mais abafado”, relatou.

O buraco está no sentido Redinha-Ponte de Igapó. A nova abertura também está mais recuada. Tanto é que chegou bem próximo da parada de ônibus das imediações. Por sorte, segundo o barbeiro, não havia ninguém no local, muito menos passava veículo. O trânsito não foi interrompido.

Tubulações da rede de abastecimento e de saneamento básico foram afetadas e segundo a assessoria de imprensa da Caern, o abastecimento já voltou ao normal, mas a empresa que presta serviço à Companhia irá continuar na área para fazer o reparo da rede de esgoto.

Vale lembrar que a Avenida João Medeiros Filho é de responsabilidade estadual. No entanto, segundo o diretor-presidente do Departamento de Estradas e Rodagem do Rio Grande do Norte (DER-RN), Demétrios Torres, o problema no lugar é “uma galeria da Prefeitura que está vencida. Nós somos vítimas tanto quanto a população”. Tentamos entrar em contato com o secretário de Obras e Infraestrutra de Natal, Tomaz Neto, mas o seu celular encaminhou as ligações para a caixa postal.

Trânsito no Gancho de Igapó sofre alterações

O trânsito na rotatória da BR-101 (Gancho de Igapó) sofreu alterações a partir da quarta-feira (09/04). A rotatória foi parcialmente bloqueada, no sentido São Gonçalo do Amarante/Ceará Mirim e conversão à esquerda na rotatória, utilizada pelo fluxo de tráfego vindo São Gonçalo com destino a BR-406/101 (Ceará Mirim/Extremoz) foi extinta, bem como o retorno do fluxo vindo do Parque dos Coqueiros/BR-406.

Os condutores que vinham de Ceará-mirim e Extremoz em direção à Natal não podem mais fazer entrar na rotatória. Eles devem seguir em frente ou entrar na direção de São Gonçalo do Amarante. Outro semáforo de três tempos foi instalado na tentativa de fazer o fluxo de veículos na direção Natal – Ceará-mirim/Extremoz. Antes o único semáforo era de quatro tempos segundo o agente da PRF. Além da PRF, a ação conta com agente da Semob, Demutran (São Gonçalo do Amarante), Dnit, CPRE e secretária de trânsito de Macaíba.

De acordo com o Policial Rodoviário Federal Alberício Coelho presente no local, as mudanças no trânsito da região devem durar até o início das obras do gancho de Igapó. Segundo o agente do Departamento de Trânsito de São Gonçalo do Amarante, Renan Oliveira, o início das obras deve ocorrer em 90 dias.

NOVA PARADA

As mudanças feitas no trânsito do Gancho de Igapó não agradaram quem está a pé. O principal motivo disso é a transferência da famosa Parada das Mangueiras para 200 metros de distância no antigo posto Miranda na BR 101 Norte. Boa parte dos passageiros foi pega de surpresa.

Dois fiscais da Secretaria de Mobilidade Urbana de Natal (Semob) estavam na parada de ônibus, na manhã de hoje, para evitar que os veículos parassem no local e para informar o novo ponto para os passageiros desavisados, obviamente a maioria deles.

A operária Veruska de Oliveira, de 26 anos, foi com sua filha até a parada das mangueiras e teve que fazer a volta no caminho. “Foi um surpresa ruim porque você tem que se deslocar pra longe”, avaliou. O antigo ponto de parada ficava apenas há cinco minutos da sua casa. Agora ela deverá andar o dobro.

Além da distância, outros reclamam do local pela falta de iluminação, como o comerciante ambulante Júnior Lima. Para ele, a mudança não foi boa “até porque aqui é meio esquisito”. Vários comerciantes que tinha lanchonete nas proximidades da parada das mangueiras estão improvisando tendas no novo local para não perder a clientela.

O comerciante Ednaldo Silva diz estar há mais de 20 anos na Parada das Mangueiras. “Desde que saiu do sinal para cá, eu estou aqui. Aqui tem mais estabilidade tanto para a gente como para os passageiros”, falou.

Compartilhar:
    Publicidade