Criado grupo de trabalho para acompanhar as obras da barragem de Oiticica

Para os especialistas, a barragem de Oiticica é importante para barrar o volume de água que vem carreado da Paraíba

Governadora Rosalba Ciarlini se reuniu com moradores da região para prometer indenizações com a construção. Foto: Divulgação
Governadora Rosalba Ciarlini se reuniu com moradores
da região para prometer indenizações com a construção. Foto: Divulgação

O Diário Oficial do Estado publica nesta quinta-feira decreto criando o grupo de trabalho que acompanhará a relocação das famílias residentes em Barra de Santana, na zona rural de Jucurutu, que serão inundadas para a construção da barragem de Oiticica.

Há duas semanas, a governadora Rosalba Ciarlini se reuniu com um grupo de  moradores de Barra de Santana para debater a transferência deles e também para desfazer boatos que circularam na região sobre a possibilidade de um calote nas indenizações.

Rosalba disse a um grupo de 150 pessoas que os recursos para as indenizações das famílias já estão assegurados no Orçamento do Estado para este ano e se comprometeu a respeitar o desejo da maioria deles de se mudar para o Alto do Paiol, a nova região escolhida.

Havia receio de que os moradores paralizassem a obra com previsão de entrega em outubro de 2015 e tem 10% do cronograma concluído.  Na ocasião, o secretário estadual de Recursos Hídricos, Leonardo Rêgo, lembrou que o processo de recenseamento das 77 famílias de Barra de Santana está concluído desde o final de dezembro do ano passado, 30 dias antes do previsto. E que existem por volta de  70 laudos prontos para dar  início ao processo de indenização por parte do Governo do Estado.

O decreto publicado hoje cumpre na prática a principal promessa de Rosalba aos moradores daquela região: nomear  a  comissão formada por representantes do Governo, Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Líderes Comunitários, Igreja Católica e um engenheiro indicado pela Prefeitura de Jucurutu.

O passo seguinte será apresentar, até janeiro do ano que vem, um estudo completo da área conhecida como Alto do Paiol, para onde os moradores de Barra de Santana vão ser transferidos e elaborar para lá um projeto urbano da nova comunidade. A entrega das casas – por esse planejamento – ficará para abril de 2015 – na teroria, seis meses antes da conclusão  da obra da Barragem de Oiticica.

A barragem de Oiticica, a ser construída no leito do rio Piranhas-Açu, entre os municípios de Caicó e Jucurutu, é mais outro dos velhos sonhos do Estado como forma de minimizar os eternos problemas hídricos.

O valor total da obra é de R$ 311 milhões, dos quais R$ 292 milhões virão do Governo Federal e R$ 19 milhões do Governo do Estado. A capacidade é de 556 bilhões de litros de água e, quando estiver cheia, beneficiará diretamente 500 mil pessoas de 17 municípios das regiões Central, Seridó e Vale do Açu.

Para os especialistas, a barragem de Oiticica é importante para barrar o volume de água que vem carreado da Paraíba, onde nasce o rio Piranhas-Açu. Sua construção vem sendo defendida há anos por lideranças políticas como forma, inclusive, de conter os efeitos das inundações, coisa que não vem acontecendo nos últimos três anos.

Compartilhar: