Crítica: Novos dubladores de ‘Chaves’ estragam episódios inéditos

A surpresa da reprise só não foi maior do que a decepção com as dublagens produzidas para "A Guerra É de Terra"

A escolha do episódio repetido também não foi feliz. Foto: Divulgação
A escolha do episódio repetido também não foi feliz. Foto: Divulgação

O anúncio era de episódios novos, mas muitos fãs do seriado “Chaves” foram surpreendidos pelo capítulo de reestreia do programa na grade semanal do SBT.

O esquete em que a turma do ator e roteirista mexicano Roberto Bolaños é “eletrocutada” já havia sido exibido outras vezes desde o início da série no Brasil, em 1981.

A escolha do episódio repetido também não foi feliz. Uma das primeiras piadas faz referência à existência das Alemanhas Ocidental e Oriental. Mais datado, impossível.

A surpresa da reprise só não foi maior do que a decepção com as dublagens produzidas para “A Guerra É de Terra”, história realmente inédita apresentada na sequência.

Bordões clássicos como “ninguém tem paciência comigo” foram reinterpretados na voz de um Chaves bem distante do dublador original. Além do protagonista, as vozes de Seu Madruga, Quico e Sr. Barriga também foram atualizadas. Para pior.

O canal identificou os 14 capítulos novos com um barril no canto inferior da tela e as iniciais E.I -de episódio inédito. Nem precisava.

Embora os esquetes sejam novos, quem acompanhou o seriado na infância conhece o método dos roteiros de cor.

No novo episódio, Chaves joga terra em Quico e Chiquinha, mas Dona Florinda acredita que quem sujou seu filho foi o Seu Madruga. Na sequência, o Sr. Barriga aparece para cobrar o aluguel e também é atingido por terra.

Esse ciclo de piadas e situações, ainda bem, não mudou.

Compartilhar:
    Publicidade