Da inveja

Não culpe a este cronista, Senhor Redator, humilde anotador das coisas do mundo, o golpe que fere o prumo da…

Não culpe a este cronista, Senhor Redator, humilde anotador das coisas do mundo, o golpe que fere o prumo da razão. Mas aos mistérios da neurociência que vai mapeando o cérebro humano na sua vã esperança de desvendar os segredos da vida. É que nesses anos todos, e hoje já além dos umbrais dos sessent’anos, achei sempre que a inveja era como um vinho que, embora nascido na nobreza de velhas castas, apodrece na alma miserável do invejoso e de lá mesmo invade a carne humana e fraca.

Só agora, já passado em anos, descubro as mais recentes conclusões da ciência em torno desse mistério que é a inveja. Até aqui, acreditava na lição do psiquiatra José Ângelo Gaiarsa que escreveu o Tratado Geral sobre a Fofoca, hoje morto. Para ele, que fez a declaração numa entrevista às páginas amarelas de Veja, inveja é a incapacidade de amar. De se sentir bem com o prazer do outro, sobretudo de não proibir dolorosamente em si mesmo aquilo que, só por inveja, gratuitamente condena no outro.

Guardo até hoje o artigo do filósofo Olavo de Carvalho – Dialética da Inveja, Folha de S. Paulo, agosto de 2003 – onde ele afirma que não é apenas o mais desprezível dos sentimentos, aquele que mais degrada a alma humana, mas é, como afirma, ‘um conflito insolúvel entre a aversão a si mesmo e o anseio de autovalorização, de tal forma que a alma, dividida, fala para fora com a voz do orgulho e para dentro com a voz do desprezo não logrando, jamais, aquela unidade de intenção e sinceridade’.

Li o pouco que chegou aos olhos, guardei dois ou três livros nas estantes e gostei muito do riso irônico de Zuenir Ventura no seu ‘Mal Secreto’. Principalmente quando pede que a partir dali, logo da primeira página, o leitor se prepare para um jogo diferente onde ‘o importante não é o que se ganha, mas o que o outro perde’. Alguns anos depois, encontrei o livrinho ‘Inveja’, de Joseph Epstein e lá descobri que é um pecado frio, nascido do estado mental, por isso não é corporal e caloroso como a ira.

É essa frieza que encontro no ensaio de Jan Crusius e Thomas Mussweiller, psicólogos sociais da Universidade de Colônia, Alemanha, autores da matéria da revista ‘Mente Cérebro': ‘Inveja: quem está livre dela?’. Para eles, o sentimento de quem inveja é ‘destruir a felicidade alheia’. E se processa – eis a inesperada descoberta – na mesma área cerebral onde se traduz a dor física. Ou de forma objetiva: a inveja mora no mesmo lugar do cérebro onde mora a dor. E por isso a inveja dói tanto no invejoso.

Para os autores, a descoberta reforça o que Aristóteles desconfiou do prazer com o sofrimento alheio, e isto também dói. O fracasso do invejado, então, é recebido pelo cérebro do invejoso como um prazer? Sim. Na inveja, diz a neurociência, a sensação de prazer é reduzida ‘quando o cérebro entende que o sucesso alheio é maior’. O invejoso, Senhor Redator, é um pobre escravo da inveja a esconder sua morbidez atrás riso falso. Como aquela raposa que desdenha as uvas porque são inalcançáveis…

 

DÚVIDA

O MP tem todo direito de questionar nomes vivos em instituições, como no caso da Assembleia. E os vivos que estão no Tribunal Regional do Trabalho, por exemplo, são legais ou também ferem essa lei?

AVISO – I

Fontes de Brasília asseguram: não vai haver intervenção do diretório nacional do PSB na direção local do PSB wilmista contra o acordão com PMDB que aqui lidera o apoio à reeleição da presidente Dilma.

EFEITO – II

Segundo as mesmas fontes, se o partido vetar o acordo, a ex-governadora Wilma de Faria pode decidir ser candidata a deputada federal com grande votação e Eduardo Campos ficaria também sem palanque.

DEPOIS – III

Ninguém, muito menos o partido, pode obrigar Wilma de Faria a disputar um terceiro mandato, afinal já governou duas vezes. O erro foi de Eduardo Campos: apostou que teria o PSB na sua luta pra valer.

ISCA – I

Na verdade são inexpressivas, até agora, as derrotas do prefeito Carlos Eduardo Alves no plenário da Câmara, afinal seu partido, o PDT, não tem um só vereador na casa. Sua maioria hoje está consolidada.

MAS – II

Em compensação, e se continuar subestimando a luta, pode perder a relação com o servidor público se deixar que a greve se transforme numa olimpíada de força. Afinal o PDT se diz um partido trabalhista.

PELOS

O must em Londres é a exposição de fotos com mulheres mostrando pelos nas axilas. Para o fotógrafo Bem Hopper, a sua ideia é revelar a beleza feminina natural, sem as imposições da indústria da beleza.

TRAIÇÃO

Pesquisa divulgada ontem aponta um novo dado da traição conjugal: as mulheres do Rio e São Paulo são as que mais traem. Uma pesquisa inglesa revela que os homens traidores são aqueles de menor QI.

GUIA

Será neste sábado, a partir das quatro da tarde, durante a feirinha de arte e gastronomia, o lançamento do Guia de Petrópolis, do jornalista Gustavo Sobral. Um roteiro bom e gostoso do bairro de Petrópolis.

DENGUE

Ninguém, muito menos a Secretaria Estadual da Saúde, sabe informar o quadro real da incidência de dengue em Natal e no Rio Grande do Norte. A estatística oficial é inconfiável. O quadro é muito ruim.

GRANA

A OI aprovou quatro projetos culturais no RN: a Feira de Livros e Quadrinhos, o Festival Mada, Fest Bossa Jazz, de Pipa, e O Mundo Inteiro é um Palco. É a performance dos nossos produtores culturais.

POR

Falar em Feira de Livros e Quadrinhos: Lira Neto pode voltar a Natal em outubro, durante a feira, para lançar o terceiro e último volume da biografia de Getúlio Vargas nos 60 anos do seu suicídio, em 1954.

TALENTO

O arquiteto Felipe Bezerra recebeu em Milão, Itália, no Milano Design Week, Salão do Móvel, a Medalha de Prata com o projeto da cadeira Mula Preta. Felipe tem hoje vários prêmios internacionais.

DECÊNCIA

De Jânio de Freitas, ontem, na Folha de S. Paulo: ‘A decência é um valor menor do que a conveniência na política brasileira’. Daí, certamente, a impunidade diante de escândalos envolvendo vários partidos.

Compartilhar: