Dado como morto, homem é encontrado vivo em necrotério de hospital

Ele foi encontrado pelo irmão respirando dentro do saco usado para colocar cadáveres na sala de necrotério

RTEmagicC_Dadocomomorto.jpg

A família de Waldelúcio de Oliveira Gonçalves, 54 anos, dado como morto pelos médicos, teve uma surpresa na madrugada deste domingo (24), no Hospital Geral Menandro de Faria, que fica em Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador. Ele foi encontrado pelo irmão respirando dentro do saco usado para colocar cadáveres no necrotério do hospital.

Segundo Patricia Gonçalves, sobrinha de Waldelúcio, a família foi informada por volta das 23h de sábado (23) que havia falecido após uma insuficiência respiratória e falência múltipla dos órgãos. Cerca de duas horas depois, o irmão do ‘falecido’ teve acesso à sala para vestir o corpo de Waldelúcio e percebeu que o saco estava se movimentando.
“O saco estava fechado e se mexendo. Subindo e descendo como se ele estivesse respirando. Daí ele [irmão de Waldelúcio] chamou todo mundo pra ver o que estava acontecendo. Já estava com os pés amarrados e com algodão no nariz e ouvidos”, contou Patrícia ao Correio24horas por telefone.

Waldelúcio, que sofre com câncer, seria internado na próxima terça-feira (26) no Hospital Santo Antônio, das Obras Sociais Irmã Dulce, para seguir com o tratamento. Porém, na manhã de sábado (23) ele passou mal e resolveram leva-lo para a emergência do Hospital Menandro. “Ele acordou com falta de ar. A tia dele achou que era a melhor opção e realmente foi. Quando eles chegaram, foram bem atendido e já mandaram entrar. Nem precisou parar pra preencher ficha antes”, lembra Patrícia.

O paciente foi levado de volta para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), onde segue internado. “Estive com ele hoje. Na sala tem mais outros dois pacientes. Estava entubado. Ele abriu os olhos e estava bem. Antes de ter sido internado, ele já falava com muita dificuldade por conta da doença”, disse. Ainda de acordo com a sobrinha, a família quer que ele seja transferido logo para o Hospital Santo Antônio.

Porém, antes da notícia de que Waldelúcio estava vivo, a família tratou de providenciar o enterro. “Tinha tudo já. O laudo da morte e o caixão já estava comprado”, explica a sobrinha. Segundo Patrícia, uma declaração de óbito foi emitida pelo hospital. Por telefone, a assessoria da Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) não foi encontrada para atualizar o boletim médico do paciente ou comentar o caso.

 

 

 

Fonte: Correio24Horas

Compartilhar: