Delúbio Soares chega para o primeiro dia de trabalho na CUT

Ex-tesoureiro do PT foi recebido por três sindicalistas

O ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares chega ao edifício onde funciona a CUT em Brasília, local onde irá trabalhar durante o regime semiaberto. Foto:Divulgação
O ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares chega ao edifício onde funciona a CUT em Brasília, local onde irá trabalhar durante o regime semiaberto. Foto:Divulgação

O ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, condenado no processo do mensalão, chegou por volta das 8h30m desta segunda-feira ao escritório da Central Única dos Trabalhadores (CUT) em Brasília para seu primeiro dia de trabalho. À noite, ele terá que voltar à cadeia para dormir. Ele chegou ao local em um carro da própria CUT e foi recepcionado por três sindicalistas.

“Nao estou dando entrevistas”, disse Delúbio aos jornalistas que o aguardavam no escritório da CUT.

Na saída do Centro de Progressão Penitenciária (CPP), Delúbio foi recebido por dois membros da CUT, a quem abraçou. O ex-tesoureiro deixou a prisão sem algemas. Na CUT, onde produzirá relatórios, Delúbio receberá R$ 4,5 mil. A autorização da Justiça para que ele trabalhe durante o dia saiu na quinta-feira.

O pedido de Delúbio para trabalhar durante o dia foi feito em 27 de novembro e poderia ter sido atendido antes não fosse o recesso de fim de ano da CUT. Na decisão autorizando o trabalho externo, o juiz substituto da Vara de Execuções Penais (VEP) do Distrito Federal Bruno Ribeiro relata que, em 20 de dezembro de 2013, uma equipe da seção psicossocial da vara visitou o escritório da CUT. Como o local estava fechado em razão do recesso, nova visita foi feita em 10 de janeiro. Cinco dias depois, o Ministério Público se manifestou favoravelmente à possibilidade de trabalho externo para Delúbio.

Delúbio cumpre pena de seis anos e oito meses por corrupção ativa. Punições inferiores a oito anos dão direito ao regime semiaberto. Mas Delúbio pode ainda ser levado ao regime fechado. Isso porque ele também foi condenado a dois anos e três meses por formação de quadrilha, mas ainda há um recurso para ser julgado. Caso esse recurso seja negado, a pena subirá para oito anos e 11 meses.

O ex-tesoureiro do PL Jacinto Lamas começou a trabalhar nesta segunda na empresa Mísula Engenharia. Ele foi empregado como assistente administrativo e chegou acompanhado do irmão. Segundo o advogado de Lamas, Délio Lins e Silva, o cliente poderá deixar o carro no estacionamento público próximo ao CPP durante a noite e, quando for se deslocar para o trabalho durante o dia, poderá pegar o veículo.

Fonte:O Globo

Compartilhar:
    Publicidade