Dennis Rodman é internado em clínica de reabilitação por alcoolismo

"Seu nível de consumo de álcool chegou a níveis que ninguém tinha visto antes. Quando retornou (da Coreia do Norte) falei com ele sobre como estávamos preocupados", disse Darren, que revelou que o tratamento durará um mês

Americano foi um dos melhores jogadores de basquete da história. Foto:Divulgação
Americano foi um dos melhores jogadores de basquete da história. Foto:Divulgação

O americano Dennis Rodman foi internado em um centro de reabilitação para alcoólatras, informaram neste domingo fontes ligadas ao ex-jogador de basquete.

Darren Prince, agente do antigo ala de Detroit Pistons e Chicago Bulls, informou à emissora de televisão “CNN” que Rodman tratará a partir desta semana da dependência, que teria lhe causado alguns problemas em público recentemente.

“Seu nível de consumo de álcool chegou a níveis que ninguém tinha visto antes. Quando retornou (da Coreia do Norte) falei com ele sobre como estávamos preocupados”, disse Darren, que revelou que o tratamento durará um mês.

Outras fontes da “CNN” informaram que o centro onde está se tratando, cujo nome não foi revelado, fica na costa leste dos Estados Unidos.

Rodman protagonizou uma embaraçosa entrevista à “CNN” no início deste mês da Coreia do Norte, onde organizou uma partida com ex-estrelas da NBA, em homenagem ao aniversário do líder norte-coreano Kim Jong-un.

O ex-jogador começou a insultar e a gritar na entrevista diante do olhar atônito de seus companheiros, que tentavam contê-lo. Posteriormente, Rodman atribuiu sua alteração de tom ao abuso de álcool.

A chamada “diplomacia do basquete” de Rodman na Coreia do Norte o levou várias vezes ao país asiático, onde se reuniu com Kim Jong-un, chefe de estado que mantém relação conturbada com os Estados Unidos.

Senadores americanos, como o republicano John McCain, disseram que o ex-jogador de basquete não é mais do que “um idiota”, que faz um desserviço a seu país desviando a atenção dos abusos aos direitos humanos na Coreia do Norte e da questão da proliferação nuclear no país.

Fonte:Uol

Compartilhar: