Dentistas municipalizados pedem reajuste salarial para o Governo do RN

Grupo de dentistas do Estado tentaram reunião com Rosalba Ciarlini na manhã de hoje

Dentistas-na-governadoria-WR-(2)

Representantes dos cerca de 320 dentistas do Estado que estão atualmente cedidos aos municípios potiguares se reuniram na manhã desta quarta-feira (02) para tentar uma audiência com a governadora Rosalba Ciarlini. A categoria quer discutir a inclusão no reajuste salarial concedido pela Lei 511/2014. A legislação concede aumento de até 21% aos odontologistas estaduais, mas exclui os municipalizados, o que é mal visto pela categoria.

Segundo o presidente do Sindicato dos Odontologistas do Rio Grande do Norte (Soern), Ivan Tavares, eles querem que os profissionais que atuam nos municípios sejam incluídos no benefício, já que são concursados pelo estado e foram cedidos sem que tivessem pedido por isso. Ele disse acreditar que a governadora está sensibilizada com a situação da categoria e espera uma resposta positiva ainda hoje.

“Esta é a nossa última tentativa de chegar a um entendimento com o executivo estadual, porque é ano eleitoral e os trabalhos no legislativo se encerrarão mais cedo. Vamos levar para a governadora a proposta do Estado fazer a inclusão e conceder o reajuste a partir do próximo ano, para aliviar o impacto financeiro, que será de R$ 1,4 milhão por mês, para o Rio Grande do Norte”, explicou.

Tavares disse que 80% dos municipalizados trabalham em Natal e o restante é dividido em Mossoró e demais cidades e que, há cerca de 15 dias, eles tentaram, sem sucesso, uma audiência com Rosalba para discutir a Lei 511/2014. Ele afirmou ainda que a categoria se sente desamparada pelo Estado e que entendem que a sua reivindicação é plenamente aceitável, já que só trará impacto a partir de 2015.

“Sabemos que tecnicamente é viável, mas o Estado sempre alega que não pode negociar porque a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) o impede. Compreendemos que há dificuldades, mas não podemos ser penalizados por estarmos cedidos aos municípios, o que foi feito contra a nossa vontade. Na última vez que procuramos a governadora, sentimos que ela estava sensibilizada com a nossa causa, então, temos expectativa que ela vá nos receber hoje e nos dar uma boa notícia”, afirmou.

 

Dentista relata falta

de perspectiva

Indignação e angústia são algumas sensações vividas por muitos dentistas do Estado que estão municipalizados. Se sentindo desamparados por quem deveria defendê-los, eles relatam que foram obrigados por lei, em 1994, a trabalhar para os municípios, responsáveis por gerenciar a atenção básica de saúde, a qual fazem parte e que desde então, não possuem perspectiva alguma para o futuro.

Para a odontologista Graça Salustre, pensar na aposentadoria se tornou um pesadelo, já que não tem o direito de incorporar as gratificações pagas pelo município ao benefício e também não recebem reajuste do Estado. Ela se mostrou triste e indignada com a situação.

“A perda financeira é um fantasma que ronda a todos nós, pois, não temos direito de levar para a aposentadoria as gratificações pagas pelo município e, fora essa angústia, acrescentou-se uma lei assinada pela nossa governadora a qual exclui os municipalizados de qualquer aumento que porventura venha a ser dado aos funcionários que estão prestando seus serviços ao Estado”, desabafou.

Compartilhar: