Desempenho ruim de Fred na Copa deve mantê-lo no Fluminense

Jogador, que havia sido sondado por times como Inter de Milão, Roma e Lazio, pediu aumento de 50% no salário e contrato por mais três anos com os cariocas antes do Mundial

Fred durante entrevista coletiva na Granja Comary. Foto: Divulgação
Fred durante entrevista coletiva na Granja Comary. Foto: Divulgação

O péssimo desempenho do atacante Fred na Copa do Mundo deverá dificultar a sua saída do Fluminense e o clube carioca já trabalha com a manutenção do craque, que vinha negociando inclusive a ampliação do tempo de seu vínculo. Apesar de o presidente Peter Siemsen e dos diretores de futebol não falarem abertamente, a goleada de 7 a 1 sofrida para a Alemanha foi vista como o fim das especulações que envolviam a transferência do artilheiro para o mercado europeu e a certeza de sua permanência nas Laranjeiras.

Antes do Mundial começar Fred chegou a dar algumas entrevistas a jornais italianos, que toda a semana tratavam do interesse de clubes como Internazionale de Milão, Roma e Lazio no jogador. A situação fez com que o atleta tratasse com a diretoria da renovação de seu contrato em uma situação confortável. Pediu aumento de 50% e um contrato por mais três anos, que chegaria ao fim somente quando ele tivesse 34 anos.

A diretoria ficou de analisar o pedido de Fred, mas evitou dar qualquer resposta antes de a competição começar. A estratégia era realmente ver o desfecho da situação. Com apenas 20% dos direitos federativos do artilheiro, o Fluminense se tornou refém da decisão do empresário Celso Barros, presidente da Unimed, principal patrocinadora do clube e detentor dos demais 80%. O empresário entendia que a Copa seria um divisor de águas.

As indefinições adiaram algumas decisões que envolviam outros jogadores, como a liberação do empréstimo do atacante Michael ao Criciúma, oficializada apenas no fim de semana. Caso o camisa 9 fosse negociado, o jovem permaneceria nas Laranjeiras para assumir a reserva de Walter, que herdaria o posto de Fred. A própria situação de Walter muda. Antes do Mundial o jogador chegou a reclamar da reserva após a vitória de 1 a 0 sobre o Palmeiras, mas se acalmou ao ser lembrado que o titular deveria ser negociado após o Mundial algo hoje visto como praticamente impossível.

Nas Laranjeiras todos tratam do assunto com muita cautela, pois ninguém pretende desvalorizar um patrimônio do clube. “O Fred é um ídolo e o que aconteceu na Copa do Mundo não pode manchar a sua história no Fluminense. Ele vai carregar essa tristeza, mas é um vencedor na profissão, que poderia parar de trabalhar hoje sem enfrentar problemas”, disse Peter em entrevista ao jornal “Extra” do Rio de Janeiro.

 

O carinho que o Fluminense pode oferecer é algo que o atacante pretende aceitar. “Neste momento o que vai mais nos confortar é o carinho das pessoas que estão próximas. A decepção é total, pois foi a pior partida da nossa história”, disse logo depois o humilhante 7 a 1 para a Alemanha.

Segundo o planejamento da comissão técnica, o jogador ganhará alguns dias de descanso e terá um trabalho físico diferenciado, ficando á disposição de Cristóvão Borges somente 15 dias depois do torneio.

Treino

Dentro de campo o elenco trabalhou na manhã desta quinta-feira, nas Laranjeiras, contando com o retorno de Walter, afastado dos dois últimos dias por conta de uma cirurgia dentária. Já o meia Wágner, reclamando de dores na coxa direita, trabalhou em separado do grupo.

O volante Diguinho, com dores no tornozelo direito, mais uma vez não treinou e já preocupa para a partida diante do Criciúma, na próxima quarta-feira, em Santa Catarina, pelo Campeonato Brasileiro. Nesta sexta-feira, o elenco treina pela manhã e no sábado, às 9h (horário de Brasília), tem jogo-treino com o Madureira-RJ, que disputa a Série C do nacional.

Fonte: IG

Compartilhar: