Detran planeja novo leilão de mais de 3000 veículos apreendidos

Dos 1087 veículos dos leilões do ano passado, existiam carros e motos com possibilidade de circulação, mas também aqueles considerados sucata

Mais de 3 mil carros e motos esperam por destino nos pátios do Detran/RN. Para Ivani Ferreira, expectativa é que o leilão seja realizado no próximo mês. Foto: Wellington Rocha
Mais de 3 mil carros e motos esperam por destino nos pátios do Detran/RN. Para Ivani Ferreira, expectativa é que o leilão seja realizado no próximo mês. Foto: Wellington Rocha

Com 3.077 mil veículos nos pátios de apreensões espalhados pelo Estado, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran/RN) pretende realizar um novo leilão ainda este ano. Segundo a chefe do setor de apreensões, Ivani Ferreira, provavelmente o leilão poderá ocorrer no próximo mês. Os carros e motos no local são resultado de autuações realizadas, em geral, pela polícia rodoviária estadual.

De acordo com ela, também haverá leilão dos veículos que estão nos pátios de Assu, Mossoró e Pau dos Ferros em datas próximas. “Só para o leilão de Natal está organizado 1.227″, informou. Os últimos leilões ocorreram ano passado depois de mais de dez anos sem essa medida para dar destino aos automóveis abandonados.

Segundo a chefe do setor, em abril do ano passado, foram colocados para leilão 675 em Natal e 463 foram arrematados. No leilão em dezembro de 2013 em Mossoró, foram postos para leilão 412 veículos. Desses, 407 foram arrematados. O dinheiro dos leilões é direcionado para o pagamento das dívidas dos carros com o órgão.

Dos 1087 veículos dos leilões do ano passado, existiam carros e motos com possibilidade de circulação, mas também aqueles considerados sucata. “Existe o lote de sucata e os de veículos em condições de circulação. O lote de carros é individual. Para as motos é feito em grupo”, explicou Ivani Ferreira.

O critério para classificar um automóvel como “sucata” leva em consideração o preço de mercado e o valor necessário para colocá-lo em funcionamento. “Se você gasta mais de 50% do valor do carro para recuperar, ele é considerado sucata”, declarou. Essa determinação é feita pelo chefe de vistoria do órgão de trânsito.

No pátio, é possível perceber que a maior parte das apreensões é de motos. “Enquanto entra 50 carros, entram 150 motocicletas”, exemplificou a proporção. Segundo Ivani Ferreira, o principal motivo das apreensões é o atraso no licenciamento dos veículos e condutores flagrados na direção sem a carteira nacional de habilitação.

“A liberação só é feita quando o veículo está completamente em dia”, destacou a chefe do setor. Além de pagar a multa pela infração que ocasionou a apreensão, o proprietário tem que desembolsar o preço do reboque (caso o carro tenha sido rebocado) e as diárias pelo tempo que ficou no pátio (R$ 7 por dia) e todo tipo de dívida em atraso do veículo. Segundo Ivani, o principal fator de desistência dos donos é o acúmulo das dívidas ao longo dos anos.

Mensalmente entram 250 veículos em média. A liberação por mês varia entre 170 a 200 apreendidos. Depois da entrada no pátio, o primeiro passo é realizar a comunicação oficial (correspondência com aviso de recebimento) da apreensão ao proprietário dentro de 20 dias. “Após essa correspondência, a gente dá mais 20 dias e para fazer outra”. Sem a manifestação do proprietário em 90 dias o veículo poderá ir para leilão.

Sobre a segurança dos veículos dentro dos pátios do Detran/RN, a chefe do setor de apreensões afirma que orienta os proprietários a procurar a ouvidoria para oficializar a denúncia quando encontram irregularidades. “Quando a gente recebe o veículo, tem uma ficha que é preenchida pelo guarda do pátio com os itens do veículo”, informou. Atualmente a segurança é terceirizada e o principal pátio de apreensões, localizado no bairro do Bom Pastor, é fechado ao acesso da população. Situação diferente do que ocorre no pátio da sede do órgão, onde os carros ficam no máximo cerca de 30 dias.

Compartilhar:
    Publicidade