Dez jornais param de circular por falta de papel na Venezuela

A organização denunciou que o presidente venezuelano obrigou provedores de internet a filtrar certos conteúdos

Venezuelanos protestam nas ruas de todo o país há mais de um mês. Foto:Divulgação
Venezuelanos protestam nas ruas de todo o país há mais de um mês. Foto:Divulgação

Um estudo divulgado pela ONG Espaço Público revela que ao menos dez jornais venezuelanos deixaram de circular temporariamente ou de forma definitiva devido à escassez de papel no país. O desabastecimento, que abrange produtos básicos na Venezuela, é mais um golpe à imprensa local, já na mira da censura e de sanções impostas pelo presidente Nicolás Maduro.

O relatório indica ainda que outros cinco diários venezuelanos atualmente correm o risco de seguir o mesmo caminho. E mais 11 jornais, diz a ONG, foram forçados a reduzir suas páginas ou tiragens para se manterem no mercado.

O governo de Nicolás Maduro foi citado nesta semana por outro relatório, da organização Repórteres sem Fronteiras (RSF), entre os que mais ameaçam a liberdade de informação na internet. A organização denunciou que o presidente venezuelano obrigou provedores de internet a filtrar certos conteúdos.

As empresas “foram contaminadas a bloquear uns 50 sites que mencionavam a taxa de câmbio e a inflação galopante, temas que contribuem para alimentar a ‘guerra econômica’ contra o país”.

Unasul

A deputada María Corina Machado, uma das principais líderes da oposição da Venezuela, disse que a resolução da Unasul (União das Nações Sul-Americanas) sobre a crise da Venezuela é “uma vergonha”. O bloco decidiu criar uma comissão que assessore e busque mecanismos para restaurar a convivência pacífica na Venezuela.

Em comunicado, os países ainda pediram que o governo de Nicolás Maduro e “todas as forças políticas” se reúnam para alcançar a paz no país. Machado considerou “sumamente grave” que os chanceleres da Unasul não tenham se referido à repressão das forças de segurança, assim como as denúncias de violações de direitos humanos.

Compartilhar: