No Dia da Poesia, Funcarte faz bate-papo de Eucanaã Ferraz e café com poetas

Poeta e escritor carioca vem a Natal abordar o tema “A Poesia vista pelos olhos da Poesia”, com poemas que viajam por versos de Manuel Bandeira a Wally Salomão

Para este debate, Eucanaã separou poemas de Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, Vinicius de Moraes, entre outros. Foto:Divulgação
Para este debate, Eucanaã separou poemas de Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, Vinicius de Moraes, entre outros. Foto:Divulgação

O Dia Nacional da Poesia é um evento tradicional do calendário cultural de Natal. E para festejar esta data, a Prefeitura do Natal, por meio da Fundação Cultural Capitania das Artes (Funcarte), promove nesta sexta-feira, dia 14 de março, o tradicional café da manhã entre os artistas com a vinda especial do escritor e poeta carioca Eucanaã Ferraz. O evento começa às 9h, na sede da Funcarte.

Eucanaã Ferraz irá abordar o tema “A Poesia vista pelos olhos da Poesia”, com uma seleção de poemas cujo tema é a própria poesia e o papel do poeta. “O que a poesia pensa sobre si mesma”, disse Eucanaã sobre o assunto de sua fala para o Dia Nacional da Poesia.

Para este debate, Eucanaã separou poemas de Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, Vinicius de Moraes, Cecília Meireles, João Cabral de Melo Neto, Armando Freitas Filho, Ferreira Gullar e Wally Salomão, empreendendo uma viagem dos anos 1920 até a década de 1970.

A manhã poética da Fundação Cultural Capitania das Artes terá também o lançamento da reedição de “A Poesia e o Poema do Rio Grande do Norte”, de autoria de Moacy Cirne e publicado pela primeira vez em 1979. Moacy, falecido no ano passado, estaria completando 71 anos nesta quinta-feira, dia 13 de março. A reedição ficou a cargo do editor e sebista Abimael Silva.

Juntamente com a reedição de “A Poesia e o Poema do Rio Grande do Norte” acontece um debate intitulado “Da crítica à Poesia Experimental” sobre a obra poética de Moacy Cirne, com participações de Falves Silva, Anchieta Fernandes, Muiraquitan, Kennedy de Macedo e Abimael Silva.

A Fundação Cultural Capitania das Artes também vai estar presente na tradicional feijoada poética que acontece no Beco da Lama (Bar Encontro dos Boêmios) a partir do meio-dia.

Sobre Eucanaã Ferraz

Nasceu no Rio de Janeiro, em 18 de maio de 1961. Escreveu, entre outros, os livros de poemas Cinemateca (Companhia das Letras, 2008), Rua do mundo (Companhia das Letras, 2004), publicado em Portugal (Quasi, 2006), Desassombro (7 Letras, 2002, prêmio Alphonsus de Guimaraens, da Fundação Biblioteca Nacional), publicado em Portugal (Quasi, 2001) e Martelo (Sette Letras, 1997).

Organizou os livros Letra só, com letras de Caetano Veloso (Companhia das Letras, 2003), publicado em Portugal (Quasi, 2002); Poesia completa e prosa de Vinicius de Moraes (Nova Aguilar, 2004), a antologia Veneno antimonotonia — Os melhores poemas e canções contra o tédio (Objetiva, 2005) e O mundo não é chato, com textos em prosa de Caetano Veloso (Companhia das Letras, 2005). Publicou ainda, na coleção Folha Explica, o volume Vinicius de Moraes (Publifolha, 2006).

Edita, com André Vallias, a revista on line Errática (www.erratica.com.br). É professor de literatura brasileira na faculdade de letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ.

Programação Dia da Poesia
Data: 14 de março
Local: Fundação Cultural Capitania das Artes (Funcarte)
Início: 9h
Convidado especial: Eucanaã Ferraz

Programação
Café com os artistas (9h)
Intervenções e performances
Eucaanã Ferraz em “A Poesia vista pelos olhos da Poesia”.
Lançamento reedição de “A Poesia e o Poema do Rio Grande do Norte”, de Moacy Cirne.
Debate “Da crítica à Poesia Experimental”.

Compartilhar:
    Publicidade