Dicas para não agir por impulso e se proteger de golpes nas liquidações

- Janeiro é mês de queima de estoque, quando os consumidores aproveitam as melhores liquidações do varejo. – Na maioria…

- Janeiro é mês de queima de estoque, quando os consumidores aproveitam as melhores liquidações do varejo.
– Na maioria das vezes as ofertas são tentadoras, mas os economistas da Serasa Experian alertam que compras por impulso podem descontrolar o orçamento, levar o consumidor ao superendividamento ou até mesmo trazer aborrecimentos.
– Confira algumas dicas para evitar problemas:
– 1) Relacione todas as dívidas já assumidas com o objetivo de saber se há espaço no orçamento da família para novas compras;
– 2) Planeje as compras, desde uma roupa até uma televisão. Reflita se está realmente precisando;
– 3) Faça uma lista dos itens que pretende comprar. Essa é uma das regras básicas para evitar gastar por impulso. Com o papel nas mãos, o consumidor só vai atrás dos produtos que realmente estão na lista sem cair em tentação;
– 4) Lembre-se dos gastos do início do ano. Além de pagamento de impostos (IPVA e IPTU) e compra de material escolar e matrícula, há as despesas de férias, como viagens, cinemas e passeios;
– 5) Evite cair em golpes. Se for comprar um produto para receber posteriormente, verifique se a loja física ou virtual escolhida possui uma situação financeira estável, para não ser surpreendido com o recebimento de uma mercadoria inferior no lugar da que foi comprada ou, pior, ficar sem o produto para sempre.
– 6) Se precisar parcelar as compras, procure fazer a curto prazo;
– 7) Cuidado ao usar o cartão de crédito. Ele dá a falsa sensação de que não se está gastando. Verifique na fatura o valor total das compras antigas antes de fazer uma nova dívida;
– 8) Cuidado também com descontos milagrosos. Pesquise preços, para saber se está fazendo um bom negócio ao comprar um produto em liquidação. A Internet ajuda na hora de fazer essas comparações.
Isenção de impostos para reduzir alta
carga tributária do material escolar
– Na volta às aulas, os pais de alunos sempre se queixam do preço do material comprado numa época em que o orçamento familiar está reduzido.
– “Em um país onde os governantes cansam de afirmar que educação é prioridade, torna-se no mínimo contraditório, ou até mesmo absurdo, convivermos com a elevada carga tributária que incide sobre cadernos, borrachas, agendas, lápis, estojos, canetas e, até mesmo, tinta guache e folhas para fichário. Educação realmente é prioridade?”, indaga Rubens Passos, presidente da Associação Brasileira dos Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares – ABFIAE.
– A entidade solicita o apoio do Governo Federal e do Ministério da Educação para a aprovação de um projeto amplo de redução da carga tributária para materiais escolares. De acordo com Passos, uma possível renúncia fiscal é ínfima perante o orçamento da União.
– Uma das soluções para a redução imediata da elevadíssima carga tributária sobre material escolar existente no país, afirma o presidente da ABFIAE, é a aprovação do Projeto de Lei nº. 6705/2009, de autoria do senador potiguar José Agripino, que já tramita há mais de quatro anos e que, atualmente, encontra-se em discussão na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara Federal.
– O PL 6705/2009 prevê a isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os itens escolares fabricados no Brasil e estabelece alíquota zero da Contribuição para o PIS/Pasep e para a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social, incidentes sobre a comercialização desse material.
– Criado em 2009, o projeto tramitou por mais de dois anos na Comissão de Educação e Cultura (CEC) da Câmara dos Deputados, onde inicialmente recebeu um parecer negativo. Porém, em maio de 2012, o projeto foi aprovado e encaminhado para a Comissão de Finanças e Tributação da Câmara.

 

Ipem inicia verificação de taxímetros em uso nos veículos do RN

– O Instituto de Pesos e Medidas do Rio Grande do Norte (Ipem-RN) deu início à verificação de taxímetros em uso nos veículos do Estado.
– A ação segue o calendário estabelecido de acordo com a terminação da placa do táxi. A verificação periódica do equipamento é obrigatória, segundo a Portaria Inmetro n. 201 de 21 de outubro de 2002.
– Os taxímetros dos veículos sediados em Natal, Parnamirim, Macaíba, São Gonçalo do Amarante e Extremoz serão verificados na sede do Ipem-RN situada à Rua São Jorge, na Cidade da Esperança, das 7h às 13h.
– “O objetivo é garantir o perfeito funcionamento dos equipamentos, para que nenhum consumidor seja prejudicado por alguma cobrança irregular pela corrida”, explica o diretor do instituto potiguar, Carlson Gomes.
– O não comparecimento do taxista para a verificação do taxímetro que equipa o seu veículo poderá acarretar Auto de Infração.

XIX Feira Internacional de Artesanato terá programação divulgada próxima semana

– Programada para o período de 24 de janeiro a 2 de fevereiro, a XIX Feira Internacional de Artesanato do RN terá a sua programação apresentada para parceiros e autoridades na próxima quinta-feira, no restaurante Mangai.
– A Fiart tem várias atrações cultural, gastronômica e artesanal no Pavilhão das Dunas do Centro de Convenções e nesta edição contará com países como Emirados Árabes Unidos (Dubai), Espanha, França, Índia, Itália, República das Filipinas, Japão, Indonésia, Paquistão, Peru, República Tcheca, Portugal, Senegal, Polinésia Francesa e Tailândia.
– O evento, que terá quase 400 estandes, deverá atrair mais de 65 mil pessoas e tem apoio do Sebrae e dos governos federal, estadual e municipal.

Certificado digital agiliza preenchimento da Declaração de Imposto de Renda em 2014

– Cerca de um milhão de contribuintes poderão, neste ano, ter menos trabalho ao preencher a Declaração de Imposto de Renda.
– A Receita Federal confirmou que todos os contribuintes que optam pelo modelo simplificado e possuem certificado digital receberão a declaração pré-preenchida, apenas para realização de ajustes ou adição de despesas e deduções.
– Com o e-CPF, da Serasa Experian, o cidadão consegue agilizar desde o preenchimento até o acompanhamento do processamento da declaração.
– Já adotado em outros países, o modelo de declaração pré-preenchida agiliza o processo para o contribuinte, ao evitar que ele precise aguardar por declarações de rendimentos das empresas para qual trabalha, e também evita erros – reduzindo as chances de que a declaração vá parar na malha fina ou mesmo seja retida por contradições nos dados.
– Como o e-CPF permite monitorar todo o processo da declaração pela página do Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-CAC), caso vá parar na malha fina, o contribuinte pode regularizar a situação no mesmo dia se tiver realizado o preenchimento com o certificado digital.
– Potencialmente, mais de 18 milhões de pessoas podem ser beneficiadas – este é o montante de contribuintes, segundo dados da Receita Federal, que optam pelo modelo simplificado de declaração do Imposto de Renda e que seriam beneficiadas com o pré-preenchimento.
– O e-CPF, porém, não será obrigatório para a declaração do Imposto de Renda em 2014.
– O certificado digital e-CPF, da Serasa Experian, pode ser adquirido a partir de R$ 128,00, com validade de um ano.

Compartilhar: