Dilma lamenta morte de Coutinho: “Brasil perde seu maior documentarista”

Coutinho era considerado um dos maiores documentaristas do Brasil

Coutinho foi assassinado a facadas neste domingo, dentro de casa, no bairro da Lagoa, zona sul do Rio Janeiro. Foto: Facebook / Reprodução
Coutinho foi assassinado a facadas neste domingo, dentro de casa, no bairro da Lagoa, zona sul do Rio Janeiro. Foto: Facebook / Reprodução

A presidente Dilma Rousseff se manifestou nesta segunda-feira (3) e lamentou a morte do cineasta Eduardo Coutinho por meio de suas redes sociais. “Foi com tristeza que soube da trágica morte do cineasta Eduardo Coutinho, autor de Cabra Marcado para MorrerPeõesEdifício Master. Coutinho deixava que os personagens contassem suas histórias com suas próprias palavras, criando assim uma relação direta com o expectador”, escreveu.

“O Brasil e o cinema brasileiro perderam hoje seu maior documentarista”, completou.

A Divisão de Homicídios não tem dúvidas de que Daniel Coutinho é responsável pela morte do pai, ocorrida neste domingo (2), no Rio de Janeiro. De acordo com o delegado e diretor da DH, Rivaldo Barbosa, ele também tentou matar a mãe e a si mesmo.

Entenda o caso
O cineasta Eduardo Coutinho, 81 anos, considerado um dos principais documentaristas do Brasil, foi assassinado a facadas neste domingo, dentro de casa, no bairro da Lagoa, zona sul do Rio Janeiro. A mulher do documentarista, Maria das Dores de Oliveira Coutinho, 62 anos, também foi ferida e encaminhada em estado grave para o hospital Miguel Couto. O filho do documentarista, Daniel Coutinho, 41 anos, que tem esquizofrenia, era o principal suspeito do crime.

De acordo com a secretaria municipal de Saúde, Maria foi esfaqueada duas vezes na região da mama, três no abdômen e sofreu também lesões no fígado. Ela foi operada e seu estado de saúde é grave.

O filho do cineasta também foi encaminhado ao hospital Miguel Couto, com dois ferimentos provocados por faca na região abdominal. Ele foi operado e seu estado de saúde é considerado estável.

Coutinho era considerado um dos maiores documentaristas do Brasil. Entre outros filmes, ele é autor de Cabra Marcado para Morrer, Babilônia 2000, Jogo de Cena e Edifício Master. Entre as diversas premiações internacionais e nacionais que recebeu, o documentarista é vencedor do Kikito de Cristal, tido como a mais importante premiação do cinema nacional, pelo conjunto de sua obra.

 

Fonte: Terra

Compartilhar: