Diretor do Sport faz novo contato com representante de Riquelme

Rubro-negro segue acreditando na chegada do camisa 10 argentino

Riquelme segue como prioridade para o Sport. Foto: Divulgação
Riquelme segue como prioridade para o Sport. Foto: Divulgação

O fim do contrato de Juan Román Riquelme com o Boca Juniors na última segunda-feira, aliado ao fato do jogador ainda não ter acertado se fica ou não no clube xeneize, deixou a diretoria do Sport bem otimista quanto a um acerto com o meia. Na tarde desta terça-feira, o executivo de futebol do Leão, Nei Pandolfo, fez mais um contato com Daniel Bolotnicoff, representante de Riquelme.

O vice-presidente de futebol rubro-negro, Arnaldo Barros, afirma que a proposta feita pelo Sport agrada e revelou que os contatos com Bolotnicoff seguem.

“Não é que faremos algo para ter Riquelme, nós já estamos fazendo. Nei Pandolfo ligou para o empresário do jogador e eles ficaram de manter contado. Para falar a verdade, diria que estou confiante, pois a nossa proposta foi condizente com o que era pretendido por eles. Então, isso nos deixa mais otimista. Esperamos resolver isso”, explicou o dirigente.

Além de tudo, Arnaldo Barros põe fé na proposta montada pelo Sport. O clube oferece salário que gira em torno dos R$ 700 mil mais participação em lucros desencadeados pela chegada do jogador. Para o cartola o Boca não conseguirá fazer proposta parecida.

“Proposta por proposta, temos a melhor. O Boca foi até o limite, mas não creio que consiga ir mais além. Também não acho que é um caso de o atleta flexibilizar. Se fosse para isso acontecer, creio que já teria acontecido. Se a proposta fosse perto do que o jogador espera, eu imagino que ele teria acertado. Por isso, estou confiante que possamos concluir essa negociação”.

Apesar da confiança do diretor leonino, o Boca Juniors ainda acredita na permanência do camisa 10. Carlos Águas, secretário-geral do clube argentino, deu declarações ao diário Olé afirmando ainda confiar que o craque continue no Boca.

“Creio que ele seguirá jogando no Boca. A diferença financeira que existe é solucionável e confio que seja o desejo de ambas as partes”.

Fonte: lancenet
Compartilhar: