Diretora do Itep rebate acusações e promete processar o Sinpol

Gestora refuta uma série de irregularidades apontadas pelo Sindicato dos Policiais Civil e do Itep contra sua gestão

i67io6iioA diretora do Instituto Técnico e Científico de Polícia, Raquel Taveira, rebateu hoje pela manhã as calúnias do Sindicato dos Policiais Civis e Servidores da Segurança Pública do Rio Grande do Norte, encaminhadas ao Procurador Geral de Justiça, Rinaldo Reis de Lima, através de ofício e aos diversos órgãos de imprensa, ontem (2), por meio de release.

Antecipando-se a qualquer notificação do Ministério Público, Taveira encaminhou documentos que comprovam a redução nas despesas, citadas no ofício do Sinpol como denúncias, e vai solicitar a Procuradoria Geral do Estado que encaminhe à Justiça, pedido de indenização por calúnia e danos morais em desfavor do sindicato.

No texto distribuído pela sua assessoria de imprensa, o sinpol relata supostas denúncias referentes à administração do Itep e solicita uma reunião em caráter de urgência com o Procurador Geral de Justiça para expor o abandono do instituto.

Porém quando cita o Extrato do Contrato nº 002/2014-ITEP/RN, que trata da locação de veículo, no valor anual de R$ 25.267,00 (vinte e cinco mil reais e duzentos e sessenta e sete reais), o sindicato omite que o veículo, usado exclusivamente em serviço, é do mesmo tipo do que era locado para o gestor anterior, mas com um valor de aluguel bem abaixo do que era praticado no contrato firmado em 2013. (ver anexo).

E, principalmente, que esta redução no valor contratual foi uma determinação da própria diretora ao sugerir a locação do veículo em uma nova empresa que apresentasse menor valor.

O presidente do sindicato, Djair Oliveira, também comenta a cerca de uma denuncia de convênio que disponibiliza aproximadamente 30 telefones funcionais para as chefias de setores. Outra calúnia, vez que, ao assumir o órgão, a diretora reduziu a quantidade de linhas funcionais e com elas o valor pago mensalmente a empresa de telefonia Vivo, que ficava acima dos R$ 2.400 (dois mil e quatrocentos reais), em 2013, para R$ 1177,88 (mil cento e setenta e sete reais e oitenta e oito centavos), neste mês de março, primeira conta de 2014. (ver anexo).

O Sinpol ainda anexou ao ofício enviado ao MP cópia de um memorando da UIPAF que se quer está assinado pelo chefe do setor, apontando suposto superfaturamento na aquisição de material permanente, esquecendo-se que a compra de qualquer dos equipamentos citados é regulada em legislação Federal específica e que o Registro de Preço usado nesses processos é homologado pela própria Secretaria Estadual de Administração e não pelo Itep.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A diretora do Instituto Técnico e Científico de Polícia, Raquel Taveira, vem a público esclarecer calúnias do Sindicato dos Policiais Civis e Servidores da Segurança Pública do Rio Grande do Norte, encaminhadas ao Procurador Geral de Justiça, Rinaldo Reis de Lima, através de ofício e aos diversos órgãos de imprensa, nessa quarta-feira (2), por meio de release.

No texto distribuído pela sua assessoria de imprensa, o sindicato relata supostas denúncias referentes à administração do Itep e solicita uma reunião em caráter de urgência com o Procurador Geral de Justiça para expor o abandono do instituto.

Porém quando cita o Extrato do Contrato nº 002/2014-ITEP/RN, que trata da locação de veículo, no valor anual de R$ 25.267,00 (vinte e cinco mil reais e duzentos e sessenta e sete reais), o sindicato omite que o veículo, usado exclusivamente em serviço, é do mesmo tipo do que era locado para o gestor anterior, porém com um valor de aluguel abaixo do que era praticado no contrato firmado em 2013, que totalizava R$ 42.000,00 (quarenta e dois mil reais).

E, principalmente, que esta redução no valor contratual foi uma determinação da própria diretora ao sugerir a locação do veículo em uma nova empresa que apresentasse menor valor.

O presidente do sindicato, Djair Oliveira, também comenta a cerca de uma denuncia de convênio que disponibiliza aproximadamente 30 telefones funcionais para as chefias de setores. Outra calúnia, vez que, ao assumir o órgão, a diretora reduziu a quantidade de linhas funcionais e com elas o valor pago mensalmente a empresa de telefonia Vivo, que ficava acima dos R$ 2.400 (dois mil e quatrocentos reais), em 2013, para R$ 1177,88 (mil cento e setenta e sete reais e oitenta e oito centavos), neste mês de março, primeira conta de 2014.

O Sinpol ainda anexa ao ofício enviado ao MP cópia de um memorando da UIPAF que sequer está assinado pelo chefe do setor, apontando suposto superfaturamento na aquisição de material permanente, esquecendo-se que a compra de qualquer dos equipamentos citados segue o previsto em legislação Federal específica e que a Ata de Registro de Preços usada no processo é homologada pela própria Secretaria Estadual de Administração e não pelo Itep.

Antecipando-se a qualquer notificação do Ministério Público, a diretora Raquel Taveira encaminhou hoje (3), documentos que comprovam a redução nas despesas, citadas no ofício do Sinpol como denuncias, e vai solicitar a Procuradoria Geral do Estado que encaminhe à Justiça pedido de indenização por calúnia e danos morais em desfavor do sindicato.

unnamed (3)

unnamed (2)

Compartilhar:
    Publicidade