Diretório do PT/RN: “Declarações de Sérvolo são de responsabilidade dele”

Sérvolo foi desfiliado pelo partido em abril, após mandar e-mail para Diretório

IK67OI67I7IOI67

O Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores (PT/RN) se pronunciou, de maneira um pouco tardia até, sobre a polêmica envolvendo o secretário da sigla, Sérvolo de Oliveira e Silva, e ameaças feitas por ele ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa. Segundo a direção petista, as declarações dadas são de total responsabilidade do autor que, por sinal, já foi até desfiliado.

“Não concordamos com o teor das declarações de Sérvolo de Oliveira e Silva em relação ao Ministro Joaquim Barbosa, postadas em seu perfil pessoal, em uma rede social, em novembro de 2013. Elas são de caráter pessoal e de responsabilidade de seu autor”, afirmou o Diretório em nota publicada no site da sigla para esclarecer à “militância do Partido dos Trabalhadores e ao povo do Rio Grande do Norte” – por isso, inclusive, nem enviada à imprensa foi.

“Consideramos tal comportamento e suas repercussões incompatíveis com a política adotada pelo Partido dos Trabalhadores e sua militância, que historicamente pautou sua luta fortalecendo a cultura da paz e dos direitos humanos”, acrescentou a nota de esclarecimento.

As supostas ameaças de morte feitas por Sérvolo a Joaquim Barbosa foram publicadas na edição desta semana da revista Veja e ganharam projeção nacional, sendo repetidas por diversos veículos, como o jornal Estado de São Paulo. No texto, publicado pelo petista no perfil dele no Facebook, é afirmado que o presidente do STF deverá morrer de câncer ou com “um tiro na cabeça” e, em seguida, são feitos diversos xingamentos ao ministro do Supremo.

A insatisfação teria sido motivada pela forma que Joaquim Barbosa conduziu o julgamento do mensalão, que foi responsável por levar a cúpula petista (o ex-ministro José Dirceu e o ex-presidente nacional do partido, José Genoino) para a cadeia. Os condenados, inclusive, são chamados por Sérvolo de “heróis”.

As declarações chegaram ao STF e, de lá, à Polícia Federal, que assumiu a investigação do caso e até já chamou Sérvolo para prestar depoimento. O secretário (que assim ainda aparece no site do partido) não foi localizado. Estaria viajando, em Foz do Iguaçu, desde que a investigação começou a ser feita.

De qualquer forma, o fato é que o exaltado petista nem é mais filiado ao PT. Juliano Siqueira, presidente do Diretório Municipal do PT em Natal, onde Sérvolo seria secretário, afirmou na tarde desta segunda-feira que ele foi desfiliado. Juliano afirmou que recebeu um e-mail de Sérvolo perguntando como faria para deixar a sigla e entendeu que isso era um claro pedido de desfiliação e “assim fizemos”, contou.

Juliano Siqueira, inclusive, foi o mesmo que afirmou à Revista Veja que não conhecia o secretário, porque era presidente do partido, mas não se relacionava com a diretoria.

Compartilhar: