Dirigente do Salgueiro morre após ser baleado e polícia acredita em execução

Tijolo foi atingido por três tiros na Vila Isabel, foi submetido a uma cirurgia mas não resistiu

Vice-presidente do Salgueiro, Marcello Tijolo, de 47 anos, morreu na madrugada desta quinta após ser baleado em Vila Isabel, no Rio. Foto: Divulgação
Vice-presidente do Salgueiro, Marcello Tijolo, de 47 anos, morreu na madrugada desta quinta após ser baleado em Vila Isabel, no Rio. Foto: Divulgação

O vice-presidente do Salgueiro, Marcello da Cunha Freire, conhecido como Marcello Tijolo, de 47 anos, morreu na madrugada desta quinta-feira (16) no Hospital da Unimed na Barra da Tijuca na zona oeste do Rio.

Por volta das 21h da última terça-feira (14) Tijolo foi atingido por três tiros ao sair do escritório do deputado estadual Chiquinho da Mangueira (PMN), de quem era assessor parlamentar. Ele seguia rumo a um caixa eletrônico quando dois homens passaram de moto, atiraram e fugiram. O crime ocorreu na esquina do Boulevard 28 de Setembro com a Rua Visconde de Abaeté na Vila Isabel (zona norte do Rio).

Tijolo conseguiu caminhar até a frente do restaurante Petisco da Vila, onde caiu e foi socorrido. Levado ao Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro do Rio, foi submetido a uma cirurgia e nesta quarta à tarde transferido para o Hospital da Unimed.

A polícia acredita que a intenção dos criminosos era matar Tijolo, e que não tenha havido tentativa de roubo, mas ainda não sabe o que motivou o crime. Além de ser ligado à escola de samba e ao parlamentar, Tijolo também integrou a Raça Rubro Negra, torcida organizada do Flamengo.

 

 

Fonte: Agência Estado

Compartilhar:
    Publicidade