Disputa entre Jipeiros e Bugueiros por turistas pode acabar em morte na capital potiguar

Categorias não se entendem sobre os direitos de cada uma e disputa ultrapassa bom senso

Briga-entre-Bugueiros-e-4x4--JA

Diego Hervani

diegohervani@gmail.com

Uma disputa entre jipeiros e bugueiros está agitando os bastidores do setor turístico natalense. Motoristas de 4×4 estariam sendo ameaçados por proprietários de buggys por virem a Natal buscar clientes para fazer passeios. Nas ocasiões, os 4×4 eram proibidos de seguir viagem e os clientes obrigados a descer dos carros.

No último sábado (17), esta reportagem decidiu saber o que estava acontecendo e pegou carona a bordo de um 4×4. O ponto de encontro foi um shopping em Ponta Negra. Logo na saída, alguns bugueiros já começaram a encarar o carro com olhares atravessados, muitos se comunicando por telefones celulares. Eles ligavam para outros motoristas informando a saída do jipeiro com os “turistas”.

Quando o 4 x 4 com a equipe do JH parou em frente a um hotel em Ponta Negra, começou uma verdadeira confusão. Um bugueiro apareceu afirmando que aquele passeio era ilegal. O cidadão afirmou que o carro no qual a reportagem estava não iria mais sair daquele local, pois eles (os bugueiros) estavam combatendo aquela irregularidade. Com pouco tempo, outros buggys chegaram a bloquearam totalmente a toda a rua. Um motorista mais exaltado, que disse que além de bugueiro também era policial civil, chegou dizendo que “não tinha medo de meter bala em todo mundo ali não”. Os ânimos só começaram a se acalmar com a chegada da Polícia Militar.

De acordo com Adelson Soares, representante da Associação de Jipeiros de Nísia Floresta, essa ação tem ocorrido nos últimos 40 dias. “Antes eles faziam isso de vez em quando. Agora é direto. Nós não podemos sair que eles fazem isso. Tenho conta para pagar, família para sustentar e simplesmente não posso trabalhar, pois os bugueiros não nos deixam trabalhar”, reclamou.

Adelson afirmou que os bugueiros estão fazendo isso para que os passeios sejam feitos exclusivamente nos buggys. “Eles estão limpando o mercado. Eles nos ameaçam, tiram os turistas dos nossos carros e ainda oferecem passeios gratuitos para os turistas. Tudo isso para que os turistas não façam nenhum Boletim de Ocorrência. É uma situação muito complicada. O nosso passeio é um passeio diferente. Nem em dunas nós andamos”, frisou.

Com tantos problemas, alguns jipeiros já estão pensando em deixar a profissão. “Temos o caso do Rivelino Carvalho. Ele está com tanto medo das ameaças que decidiu que não vai mais fazer os passeios, que vai vender o carro dele”, disse Robson Leão, também representante dos jipeiros de Nísia Floresta, que ainda afirmou que eles estão em situação legal. “Nós somos credenciados pelo Ministério do Turismo. Estamos de acordo com a Portaria 312/2013, que regula os passeis turísticos. Temos a placa vermelha liberada pela Prefeitura de Nísia Floresta. Só com ela é que conseguimos nos credenciar no Ministério do Turismo. Eles (bugueiros) alegam que não estamos de acordo com a portaria do Detran (234/2011), mas ela não fala apenas de buggy, fala de outros veículos também. Nós vendemos o nosso passeio em Nísia Floresta, mas os turistas ficam em Natal. Simplesmente nós vamos buscar os turistas e voltamos para Nísia, mas os bugueiros não aceitam isso. Além disso, temos direito de circular por todo o Estado”.

Bugueiros e jipeiros trocam acusações

No local onde toda a confusão ocorreu, a reportagem do JH também conversou com o representante dos bugueiros que estava lá para escutar a versão da categoria para todos os problemas que estão acontecendo. Segundo Francisco Júnior, vice-presidente do Sindbuggy, os 4×4 não podem trafegar fora do município de Nísia Floresta.

“Foi feito um arrumadinho lá em Nísia Floresta e conseguiram 40 placas vermelhas para os 4×4. Porém, o projeto é para que eles rodem no município de Nísia Floresta. Eles não podem rodar aqui em outro município. Eles estavam querendo mudar uma lei no DER para que começassem a rodar em outros municípios, mas descobrimos e denunciamos. Para transitar entre os municípios eles precisam ter a liberação do DER e eles não têm. Então eles estão em situação irregular”.

Questionados sobre as ameaças que os jipeiros alegam que estão sofrendo por parte dos bugueiros, Francisco Júnior contou uma versão diferente do ocorrido. “Isso nunca aconteceu. Nós sempre resolvemos tudo por meio de conversa. Eles é que ameaçaram os bugueiros. Teve um deles que foi até condenado por isso. O que não vamos permitir é que eles venham aqui de maneira irregular. Eles não podem circular em Natal e nós não iremos deixar que isso aconteça”.

O presidente do Sindbuggy também não aceita o fato de que os bugueiros precisam passar por vários cursos para poderem praticar a profissão, enquanto os motoristas de 4×4 não precisam. “Isso é um absurdo. O nosso curso é longo, ficamos bastante tempo para podermos tirar a licença para poder dirigir buggy. Esses caras (jipeiros) são pessoas que reprovaram nos cursos de bugueiros e ficam aí dirigindo de forma irregular”. Já Adelson Soares afirmou que os jipeiros passam sim por cursos de preparação. “Nós passamos por um curso de turismo de aventura, que tem uma carga horária muito maior do que a do curso de bugueiro”.

Na próxima quarta-feira (21), haverá uma audiência em Nísia Floresta para discutir a situação e tentar encontrar uma solução para o problema. Porém, o presidente do Sindbuggy já adiantou que não irá aparecer. “O pessoal de Nísia Floresta entrou em contato, pedindo que eu comparecesse. Mas eu falei que não tinha como, pois eu não vou discutir uma situação irregular. Os 4×4 estão atuando de forma irregular e isso é um fato”. “Também temos fotos dos 4×4 andando em dunas e isso é proibido. Os 4×4 são veículos pesados, que acabam prejudicando as dunas. Apenas os buggys podem fazer o passeio em dunas”.

“Nós não fazemos passeios em dunas. No caso específico que eles estão falando é em uma praia que todos os carros que circulam por ela precisam passar pelas dunas para poder chegar em uma outra praia para levar os turistas. Lá todos os carros podem trafegar pelas dunas”, respondeu o jipeiro.

“Jipeiros não podem circular”

Esta reportagem entrou em contato com o Departamento de Estradas e Rodagem do Rio Grande do Norte (DER-RN). De acordo com Walmir Fêlix, chefe de fiscalização do órgão, apenas veículos liberados pelo órgão é que podem circular no Rio Grande do Norte. “O órgão que rege essa situação no Rio Grande do Norte é o DER. Uma empresa só pode fazer o transporte de passageiros, nesse caso de turistas, de um município para o outro se estiver cadastrado e liberado pelo DER. Caso contrário esse veículo vai estar em situação irregular”, afirmou.

Questionado sobre o argumento dos bugueiros, de que estão credenciados pelo Ministério do Turismo para fazer esse trabalho, Walmir explicou que ainda assim eles precisam do DER. “Esse credenciamento no Ministério do Turismo é o chamado Cadastur. Esse credenciamento é feito quando a empresa é liberada pela prefeitura para fazer esse tipo de passeio. Porém, se a empresa tem o Cadastur e não tem o DER, ela não pode circular em outros municípios. Nesse caso, se a empresa é de Nísia Floresta e ela só tem o Cadastur, ela só pode circular em Nísia Floresta”.

A partir desta segunda-feira (19), o DER, juntamente com a Secretaria de Turismo e outros órgãos, irão fiscalizar de forma mais rigorosa os veículos que estiverem em situação irregular. “Temos representantes do Ministério do Turismo aqui, que são responsáveis pelo Cadastur. Eles irão participar dessa fiscalização. EM um primeiro momento nós vamos educar, mostrar que os carros precisam do DER e do Cadastur para circular no Estado. Mas a partir da semana que vem nós vamos ter que apreender os veículos”, finalizou Walmir Fêlix.

“Bugueiros não podem impedir”

No dia em que a reportagem do JH presenciou toda a ação, a Polícia Militar esteve no local. Porém, mesmo com as denúncias de ambas as partes, nada fez, apenas “acalmou” os ânimos dos envolvidos. De acordo com o coronel Francisco Araújo, comandante geral da PM do Rio Grande do Norte, o trabalho da Polícia é somente prevenir algum tipo de agressão.“A única coisa que podemos fazer é evitar um conflito entre eles. Não é de responsabilidade da PM fiscalizar quem é irregular ou não.”, destacou. Araújo lembrou que os bugueiros já tiveram problemas até mesmo com o pessoal que faz turismo de triciclo em Tibau do Sul. “Os bugueiros não queriam deixar que os turistas andassem de triciclo e a Polícia teve que intervir”.

O comandante da PM também afirmou que as atitudes que os bugueiros estão tendo para impedir os 4×4 de trabalhar é ilegal. “Eles não podem impedir que o 4×4 saia do local e muito menos obrigar os turistas a saírem do carro. Eles estão impedindo o direito de ir e vir do cidadão e isso não pode acontecer. O que os bugueiros podem fazer é denunciar para os órgãos responsáveis se encontrarem algum carro em situação irregular”.

Por fim, Araújo disse que espera que o problema seja resolvido antes que alguma situação pior aconteça. “Eu me reuni com o pessoal da prefeitura de Nísia Floresta, do Policiamento Metropolitano, Rodoviária Estadual, Detran e DER para tentar encontrar uma solução para esse problema. O pessoal de Natal acha que os 4×4 só podem andar em Nísia Floresta, já o pessoal de 4×4 disse que pode pegar passageiro em Natal. Temos que definir essa situação o mais rápido possível”.

Compartilhar:
    Publicidade