Ditatorial, Atlético-PR impede imprensa de cobrir jogo contra América

Essa prática já é feita no dia a dia desde início de 2013

 

Parte da imprensa está impossibilitada de trabalhar na Arena. Foto: Divulgação
Parte da imprensa está impossibilitada de trabalhar na Arena. Foto: Divulgação

A briga entre Atlético-PR e a imprensa é grande. O presidente do clube, Mario Celso Petraglia, trava uma guerra há anos e na partida desta quarta-feira, entre o time paranaense e América-RN, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, marca um novo capítulo.

No site oficial, dois dias antes do duelo, a notícia tradicional pedindo credenciamento aos profissionais de imprensa foi postada. Entretanto, no final da tarde desta terça-feira, a assessoria respondeu os e-mails vetando grande parte da imprensa para trabalhar, sem motivo específico descrito. “Não será permitido o acesso de repórteres de jornais e/ou mídias eletrônicas ao estádio. Atenciosamente, Atlético Paranaense”, diz a notificação.

A ordem vem da direção do clube. Os únicos veículos de comunicação credenciados são as televisões ESPN, Fox, Globo, Sportv e o site Globoesporte.com, que possuem o direito de transmissão da competição. Essa prática já é feita no dia a dia, desde início de 2013, quando apenas a imprensa com direitos do respectivo torneio que pode acompanhar treino, além de participar da coletiva.

“As entrevistas no estádio realizadas antes do jogo, no intervalo e ao final da partida, com os atletas e profissionais do Atlético Paranaense, não serão mais permitidas. Além disso, as entrevistas coletivas, que aconteciam após o jogo, não serão mais realizadas. As solicitações para entrevistas e matérias especiais com jogadores, comissão técnica e diretores do Clube deverão ser feitas através do Departamento de Comunicação do CAP”, alertou na época.

Alguns repórteres de rádios também foram barrados, enquanto todos os fotógrafos estão liberados. A rádio Banda B, por exemplo, terá acesso com um repórter, mas passou por problemas há algum tempo. Tanto que um repórter, em 2012, acabou barrado em um clássico entre Atlético-PR e Coritiba.

A Associação de Cronistas Esportivos do Paraná (ACEP-PR), na época, ajudou na questão e uma liminar da 20ª Vara Cível de Curitiba obriga que credencie para seus jogos, sob pena de multa de R$ 50 mil por violação da ordem judicial. Mesmo assim, a rádio também sofreu com a censura em um repórter.

A atitude é totalmente contrária à Lei 12.395, sancionada pela presidente Dilma Rousseff em 16 de março de 2011, garantindo o acesso dos profissionais que estão a serviço. “Os profissionais credenciados pelas Associações de Cronistas Esportivos quando em serviço têm acesso a praças, estádios e ginásios desportivos em todo o território nacional, obrigando-se a ocupar locais a eles reservados pelas respectivas entidades de administração do desporto”, diz claramente o texto.

Até o momento, o clube paranaense não se pronunciou por meio de alguma nota oficial. O presidente da ACEP, Isaías Aparecido de Bessa, está verificando a situação com o departamento jurídico para depois se pronunciar sobre possíveis atitudes.

Fonte: Terra

Compartilhar:
    Publicidade