A dois dias da Copa do Mundo, 4.700 militares farão a segurança em Natal

Desde que a capital potiguar foi anunciada como sede da Copa do Mundo, diversos treinamentos foram feitos para qualificar a tropa

Demostracao-do-efetivo-das-forcas-armadas-para-copa-2014-WR-4

Diego Hervani

diegohervani@gmail.com

As Forças Armadas estão prontas para garantir a segurança em Natal durante a Copa do Mundo, que começa nesta quinta-feira (12) e na capital potiguar tem o primeiro jogo na sexta (13). Nesta terça (10) foi realizada uma solenidade na base da Aeronáutica, em Parnamirim, onde todo o efetivo que trabalhará no Mundial foi apresentado.

Ao todo, serão 4.700 homens das Forças Armadas que estarão à disposição para fazer a segurança da cidade. São 1.500 da Marinha, 2.300 do Exército e 700 da Aeronáutica. “Aqui temos militares de Natal e também de todo o Brasil. Temos militares que já trabalharam em outras situações, como em ocupações no Rio de Janeiro”, destacou o vice-almirante da Marinha, Marcos Nunes de Miranda, comandante do 3º Distrito Naval e do Centro de Coordenação de Defesa de Área de Natal (CCDA), que foi construído exclusivamente para a Copa do Mundo e será o local onde o Ministério da Defesa comandará todas as ações no Mundial em Natal.

Desde que a capital potiguar foi anunciada como sede da Copa do Mundo, diversos treinamentos foram feitos para qualificar a tropa, além de simulações, como a que aconteceu no início da tarde desta terça, quando a Marinha realizou uma “invasão” de um hotel na Via Costeira. “Felizmente nós nunca precisamos colocar as Forças Armadas para trabalhar em problemas reais aqui e espero que continue assim. Mas com todos os treinamentos e simulações que fizemos, hoje a tropa está pronta para qualquer situação que possa acontecer durante o Mundial”, afirmou o almirante Miranda.

Apesar do grande efetivo, as Forças Armadas não estarão agindo diretamente pelas ruas da cidade, apenas em caso de extrema necessidade. “Alguns homens estarão nas ruas, mas na tentativa de prevenir qualquer situação. A obrigação inicial de garantir a tranquilidade é da segurança pública. Porém, caso alguma manifestação passe do limite, com violência, podemos agir. Porém, para que isso aconteça, a governadora precisa solicitar para a presidência e a presidência precisa aprovar. Feito isso, as Forças Armadas assumem todo o sistema de segurança do Estado até segunda ordem. Entretanto, sinceramente espero que isso não seja necessário. Espero que possamos receber bem os turistas e que toda a população possa tirar o melhor proveito dessa Copa do Mundo, que é um evento que deve ser celebrado”, argumentou Miranda.

Pelas redes sociais, um grande protesto tem sido combinado para acontecer a partir das 16h do dia 16 de junho, uma hora antes da estreia dos Estados Unidos, que enfrenta a seleção de Gana no Arena das Dunas. Questionado se existe algum esquema especial de segurança para essa situação, o almirante Miranda garantiu que não. “Claro que os Estados Unidos, por ser uma potência mundial, sempre traz uma preocupação maior. Porém, o esquema de segurança será o mesmo para todas as situações”.

Sobre os benefícios que ficarão para a cidade após a Copa do Mundo, o almirante garantiu que todo o sistema de segurança está pronto para atender qualquer tipo de demanda. “Nunca aconteceu um evento tão grande em Natal. Para a Copa do Mundo, existe uma integração entre o Ministério da Defesa e a segurança pública. Por exemplo, nas escoltas de seleções de autoridades, todos trabalham juntos. Hoje funcionamos em conjunto e no futuro, se for preciso uma ação desse tipo, estaremos preparados, sabendo exatamente como agir”.

Atribuições específicas

Além de garantir a ordem em situações mais extremas, as Forças Armadas também têm atribuições específicas. “Ataque terrorista, com armas químicas e qualquer tipo de ataque nesse sentido a responsabilidade de defesa é das Forças Armadas. Além disso, defendemos também pontos estratégicos, como estações de energia e de tratamento de água”, explicou o almirante Miranda.

A Marinha, como de costume, ficará responsável pela defesa marítima, principalmente das praias da Via Costeira, onde as seleções que jogarão em Natal ficarão hospedadas. Na capital potiguar, a Fragata “União”, o Navio Patrulha “Macau”, o Rebocador de Alto-Mar “Triunfo” e o Navio Patrulha “Graúna” estarão disponíveis. O trabalho de cada um será definido de acordo com a demanda existente. A Marinha ainda terá o apoio de dois helicópteros e em terra utilizará carros de tração, reboques, veículos para transporte de cães farejadores de explosivos, carros-pipa e equipamentos de detecção química, biológica e radiológica, além de aparelhos para coleta de amostras de sangue.

Já a Aeronáutica terá à disposição em Natal caças F-5, turboélices A-29 e H-60 Blackhawk. Eles estarão “estacionados” na Base Aérea e só serão utilizados em caso de necessidade, principalmente caso algum avião não identificado entre no espaço aéreo que foi restrito para o Mundial. As restrições começam a aproximadamente 100 km de distância de todos os estádios da Copa. Nessa área, chamada “branca”, poderão voar todas as aeronaves que têm plano de voo e código transponder ligado, ou seja, todas as aeronaves identificadas.

A 12,6 km de distâncias as restrições ficam maiores: na chamada área amarela não poderão entrar aeronaves de táxi aéreo e as de aviação geral, como jatos executivos. As regras de segurança são ainda maiores na região de 7,2 km de distância dos estádios. Ali só poderão entrar aeronaves de segurança e de filmagem previamente autorizadas pelo Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMBRA). Para os jogos em Natal, essas restrições funcionarão uma hora antes e três horas depois de cada partida. “Caso alguma aeronave não permitida ultrapasse essas restrições, os aviões da Aeronáutica serão acionados para tomar as medidas necessárias”, frisou o almirante Miranda.

Segurança pública também pronta

Assim como as Forças Armadas, a segurança pública que trabalhará na Copa do Mundo em Natal também está pronta. Ao todo serão 4 mil homens, distribuídos por Polícia Militar (PM), Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Polícia Civil (PC), além da Força Nacional, Samu e secretarias do Estado, como a Semob.

Na Copa do Mundo, toda a Natal será monitorada no Centro Integrado de Comando e Controle Regional (CICCR), que foi montado na Escola do Governo, no Centro Administrativo. A estrutura teve um investimento de R$ 80 milhões e tem 48 telas de cinquenta polegadas com imagens de 200 câmeras espalhadas pela cidade. “No CICCR estarão presentes policiais de todas as corporações, além de policiais estrangeiros e representantes das secretárias do Estado, não só de segurança. Tudo o que acontecer em Natal será registrado por nossas câmeras. Observando alguma ocorrência, passamos a informação para o setor responsável de forma imediata”, frisou o coordenador do CICCR.

Para aumentar a eficácia da segurança na Copa, Natal recebeu um equipamento chamado de “Imageador”, que foi acoplado no helicóptero Potiguar 1. Durante a manhã, por exemplo, o Imageador permite identificar e monitorar alvos sem que a aproximação seja notada em uma distância de até 10 km. Durante a noite, outro sensor ajusta a melhor luminosidade para a situação. Em áreas de baixa visibilidade, como uma mata fechada, a câmera capta imagens por meio da diferença de calor.

Compartilhar:
    Publicidade