É grave o estado de saúde do vigilante que tentou se matar dentro de um banco

Ele manteve sete pessoas reféns por quase duas horas e depois atirou contra o próprio peito

Segurança manteve sete pessoas reféns em banco. Foto: Divulgação
Segurança manteve sete pessoas reféns em banco. Foto: Divulgação

É grave o estado de saúde do vigilante bancário José Carlos de Oliveira, de 59 anos. Ele tentou se matar com um tiro no peito, dentro da agência na qual trabalhava, na zona leste de São Paulo, depois de fazer sete pessoas reféns.

As sete pessoas — outro vigilante, três funcionários do bando e dois clientes — ficaram quase duas horas reféns do segurança. Descontrolado, ele mantinha uma arma apontada para o próprio peito. Oliveira é um vigilante experiente, com 40 anos de profissão.

Ao chegar à agência para trabalhar, ele vestiu o uniforme, como de costume. Mas, em seguida, rendeu o outro segurança e tomou a arma do colega, como explica o delegado Wuppslander Ferreira Neto.

“Ao que parece, ele queria fazer um tipo de protesto. Não há qualquer indício de que ele quisesse roubar o banco”.

Segundo o inspetor de segurança, Aldo Lucindo da Silva, o segurança surtou.

“Eu vejo como fatalidade, uma pessoa normal, e hoje aconteceu dele surtar. Nada mais do que isso”.

O vigilante trabalhava na agência havia sete anos. Oliveira foi levado a um hospital na zona leste de São Paulo. Ele passou por uma cirurgia e, segundo a polícia, receberia voz de prisão nesta quinta-feira (15).

Fonte: R7

Compartilhar:
    Publicidade