É possível reverter ou desacelerar a marcha da cubanização do Brasil? – Marcos Aurélio de Sá

- Dados recentíssimos do MDS (Ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome), divulgados na última sexta-feira, dão conta de…

- Dados recentíssimos do MDS (Ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome), divulgados na última sexta-feira, dão conta de que já somam 13,9 milhões as famílias brasileiras enquadradas no Programa Bolsa Família, ou seja, com direito a ter suas rendas complementadas todos os meses pelo Governo Federal.

– Como em qualquer lugar do mundo as famílias mais pobres tendem a ter número maior de filhos e agregar maior quantidade de dependentes, não se pode considerar exagero pressupor que, em média, cada um dos núcleos familiares brasileiros alcançados pelo benefício financeiro estatal possua acima de cinco membros. Mas, para efeito de simplificação do cálculo matemático desenvolvido a seguir, imaginemos que tais famílias sejam formadas por somente cinco pessoas.

– Assim, os 13,9 milhões de famílias que neste final de agosto de 2014 estarão recebendo o auxílio do Bolsa Família, cujo valor médio anunciado pelo próprio MDS é de R$ 169,90, perfazem um total de 69,5 milhões de pessoas, o que corresponde a quase 35 por cento de todos os brasileiros (mais de um terço da população do país).

– No Rio Grande do Norte, onde em torno de 300 mil famílias estão inscritas no cadastro oficial das incluídas no Programa, o contingente humano favorecido pelo adjutório federal beira 1,5 milhão de habitantes, o que equivale praticamente à metade da população norte-rio-grandense. Esse fato expõe, sem meias palavras, o tamanho gigantesco da miserabilidade em que se vive, num Estado que sabemos potencialmente rico e capaz de proporcionar desenvolvimento e boa qualidade de vida à sua gente, livrando-a portanto da necessidade de recorrer à esmola do Poder Público.

– A ilha de Cuba, sob dominação de uma ditadura que detém o poder há 55 anos mas que muitos políticos de esquerda no Brasil teimam em apontar como modelo de “justiça social”, certamente serviu de guia e inspiração para que o Partido dos Trabalhadores — que nos últimos doze anos governa nosso país — expandisse o Bolsa Família em nosso meio.

– Lá, os irmãos Castro, ao eliminarem a propriedade privada dos meios de produção e tornarem a população inteira economicamente dependente do Estado, passaram a “remunerar” cada trabalhador com algo em torno de 30 dólares por mês e um certo número de vales-alimentação que podem ser trocados por gêneros de primeira necessidade (sempre racionados) numa rede de postos de distribuição do próprio governo.

– Felizmente, em razão do tamanho continental do Brasil, do porte infinitamente maior da nossa economia privada e da pluralidade político-partidária que aqui ainda se mantém (apesar da virulência com que, nos dias atuais, se tenta destruir até mesmo a liberdade de opinião e de expressão, fundamento do regime democrático), o PT ainda não conseguiu atingir a meta de institucionalizar o Programa Bolsa Família para todos os brasileiros.

– Mas a luta nesse sentido não para. Nos Estados da região Nordeste, por exemplo, onde vive quase um terço da população do país, o contingente dos “bolsistas” (assim como no RN) já representa aproximadamente 50 por cento de todos os nordestinos. Sem necessidade de trabalhar em troca do ganho ou de produzir seja lá o que for, eles contam com a certeza de um subsídio mensal que é quase três vezes maior do que os 30 dólares concedido aos cubanos pelos irmãos Castro.

– A partir de hoje e até o dia 29 próximo os 69,5 milhões de brasileiros sustentados pelo Programa Bolsa Família estarão retirando dos caixas eletrônicos dos bancos a soma de R$ 2,37 bilhões, referente ao mês de agosto, sem precisar sequer de se submeter a filas, pois a megaoperação demagógica de redistribuição de renda é totalmente desburocratizada. O benefício ainda inclui a complementação de renda do Plano Brasil Sem Miséria, a qual garante a todas as famílias uma remuneração mínima de R$ 77,00 por pessoa.

– Não é por acaso que tantos brasileiros dão cada vez menos importância ao emprego e ao trabalho; e que, quem se dispõe a produzir, se queixa tanto do tamanho da carga tributária e dos enormes obstáculos que encontra pelo caminho. É este o Brasil que queremos?…

 

Natal poderá ser a sede do encontro latinoamericano do ICCA, em setembro de 2015

– Os membros do Comitê Brasileiro da ICCA (Internacional Congress and Convention Association, entidade que congrega os Convention & Visitors Bureaux de mais de uma centena de países) reuniram-se na tarde da última sexta-feira, em Brasília, na sede da Embratur, quando tomaram a decisão de apresentar a candidatura de Natal para sediar o Encontro Latino-Americano da ICCA, em setembro do próximo ano.

– A edição deste ano do encontro acontecerá em Santiago (Chile), entre os dias primeiro e 5 de setembro.

– Em todo caso, como o período de inscrição das cidades candidatas a sediar o evento em 2015 ainda não está oficialmente aberto, os membros brasileiros da ICCA utilizam a expressão “possível candidatura” de Natal.

– Outra decisão tomada na reunião de Brasília foi a candidatura do Brasil para sede do Congresso Mundial da ICCA, em 2021. Uma carta de intenção nesse sentido terá de ser apresentada até o ano de 2017. Realizado anualmente, esse Congresso acontecerá na Argentina, em 2015, e em um país asiático, em 2016.

 

Comunicação no ambiente de trabalho é tema de treinamento para os clientes da Rui Cadete

– “Qual a importância da comunicação no ambiente de trabalho?”: esse será o assunto discutido pelo professor em Comunicação Profissional da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Adelmo Freire, durante o treinamento gratuito para os clientes da empresa natalense de assessoria contábil e auditoria Rui Cadete Consultores.

– O evento será realizado na tarde deste dia 25 (segunda-feira próxima), das 14:30 às 16:30 horas, no auditório da Rui Cadete, onde o especialista mostrará aos participantes como apresentar projetos de sucesso, tornar reuniões produtivas, falar em público sem inibições, preparar e planejar uma apresentação.

– O treinamento será direcionado a sócios, administradores e profissionais de todas as áreas, que podem se inscrever gratuitamente pelo e-mail ruicadete@ruicadete.com.br e enviar suas perguntas antecipadamente para o mesmo endereço.

– A programação mensal de treinamentos/2014 da Rui Cadete Consultores prosseguirá até outubro, sempre com a abordagem de temas de interesse nas áreas contábil, tributária, trabalhista e de gestão.

Compartilhar: