E Rosalba? – Vicente Serejo

Qual o maior obstáculo da candidatura Rosalba Ciarlini: a luta jurídica no caso de ficar ilegível em razão da condenação…

Qual o maior obstáculo da candidatura Rosalba Ciarlini: a luta jurídica no caso de ficar ilegível em razão da condenação de Cláudia Regina, onde também é ré; o pedido de impeachment a ser julgado pela Assembléia; ou a derrota na convenção dos Democratas diante da força do senador José Agripino, presidente nacional do partido, hoje disposto a vencê-la cumprindo uma tarefa imposta pelo PMDB para aceitar a aliança na proporcional e resguardar o mandato do deputado federal Felipe Maia, filho?

Para quem ouve as fontes, com isenção, o único medo é de uma decisão jurídica e de caráter inapelável. O que vem depois, pedido de impeachment e maioria na convenção, são obstáculos que não assustam ao grupo da governadora. Fonte do gabinete civil assegura que os convencionais estão sendo ouvidos, um a um, e até agora, pelos interesses políticos no interior, não se esboça qualquer quadro de derrota, mesmo que não se possa duvidar da liderança do senador Agripino junto aos seus seguidores.

Mas, como nenhuma posição – principalmente em governo que enfrenta desgaste considerável – é inabalável, há interpretações que sustentam a derrota rosalbista na convenção a partir de sinais que seriam anteriores a qualquer tipo de crise. O governo – principalmente o marido e chefe da Casa Civil, o ex-deputado Carlos Augusto Rosado – é acusado de isolar o governo depois de posse, afastando seus correligionários, aqueles que lutaram desde a eleição do Senado até vê-la assumir o governo em 2011.

Fechada esta janela abre-se outra e na mesma intensidade de visão: se não tem chances nem é o desejo, como explicar a preocupação do governo em aplicar pesquisas nas diversas regiões do Estado para avaliação do seu desempenho? E, se aplica e há sintomas de melhora, como não publica mantendo a expectativa de uma desaprovação elevada? Fechado em si mesmo e sem praticamente correligionário a fazer a defesa de sua imagem, o governo optou por jogar sozinho e sozinho apostar numa estratégia.

Mas, mesmo fechado, há sinais de mudança no estilo. Vem negociando, uma a uma, com todas as categorias sindicalizadas ou não, eliminando dívidas acumuladas em razão dos aumentos negados do início do governo, até hoje. Aliás, algumas dessas negociações se estendem até além de 2015, como o caso da Polícia Militar. Com isso represa a maior arte da despesa para o futuro governo, a exemplo do que afirma ter herdado ao assumir: encontrou dez planos de cargos, carreiras e salários aprovados.

Há uma ação política diferente que emana do gabinete da governadora Rosalba Ciarlini nessas últimas semanas, reconhecem as fontes governistas e até não governistas. Resta saber se os governistas acreditam numa recuperação de sua imagem para disputar, de fato, o governo; ou se bastaria impor o segundo turno trazendo ônus para a campanha lançando a todos eles – Henrique, Garibaldi, Agripino e João Maia – como os traidores, pintando a presença de Wilma como a prova material da traição. Será?

CHAPA

Dizia, ontem, um prócer: ‘Para Rosalba, mais difícil do que vencer os obstáculos e ser candidata é ter nomes para montar a chapa majoritária e as proporcionais. O DEM é um partido perspectiva de poder’.

ESTILO – I

É discreto, mas joga bem o presidente da Assembléia, Ricardo Mota. Recebe e atende às instituições, sindicatos e segmentos que procuram a Casa de José Augusto garantindo os direitos nascidos das lutas.

COM… – II

Isto, a Casa de José Augusto mantém uma posição em absoluta sintonia com a sociedade sem levar seu plenário a julgar as reinvindicações com um sentimento contra ou a favor da oposição ou do governo.

ORGULHO

A julgar pela propaganda partidária na tevê o DEM parece muito orgulhoso das obras da governadora Rosalba Ciarlini. O detalhe revela que o veto à sua candidatura é mesmo só por exigência do PMDB?

PRESENÇA

Almino Afonso virá a Natal depois da Copa do Mundo para lançar seu livro sobre as noites do Golpe de 1964 e da queda de Jango. É promoção do Instituto Histórico e Secretaria Extraordinária de Cultura.

PARECER – I

Deverá ser favorável o parecer do deputado Hermano Morais na Comissão de Constituição e Justiça ao pedido de impeachment, por cumprir os requisitos e anexando uma documentação de duas mil páginas.

MAS – II

Não basta ser aprovada na comissão. Sua aprovação final será submetida ao plenário, onde a tendência se mostra, claramente, favorável a uma ampla vitória da governadora. Com o placar de vinte a quatro.

VOLVO

O grupo Gotemburgo inaugura hoje, às 19 horas, a concessionária Volvo no Rio Grande do Norte nas margens da BR 101, altura de São José de Mipibu e construída numa área de 22 mil metros quadrados.

LIVROS

A Secretaria de Cultura lança hoje, 19h, no Palácio Potengi, da Coleção Potiguar, Palavras em Canto, de Cláudio Galvão; e Conversa e Prosa, depoimentos organizados por Isaura Rosado e Márcio Lima.

JUNINA

O deputado Leonardo Nogueira distribuindo aos deputados o convite da festa Mossoró Cidade Junina. Este ano o programa tem trinta atrações musicais, além do seu espetáculo Chuva de Bala em Mossoró.

IRLANDA

Rodrigo Levino na edição de maio da VIP com a nudez dourada Fernanda Paes Leme. Ele revela como foi a viagem a Dublin e Belfast, onde conheceu a sua vida boemia e Brendan Behan, o poeta beberrão.

GOLPE

Saiu pela editora Zahar a nova edição de ‘Jango e o Golpe de 1964 na Caricatura’, de Rodrigo Patto Sá Motta. O longo estudo sobre o papel da caricatura na interpretação do golpe político, charge a charge.

CINEMA

Começa hoje e vai até 2 de junho a VIII Mostra do Filme Cult no Teatro de Cultura Popular, em seis noites, todas às 18h30m e com ingresso a R$ 4 reais como taxa de manutenção. Promoção Cine Clube.

AVISO

A quem, cheio de juventude, topar o desafio: abertas, em Areia Branca e Natal, até dia 6 de junho, as inscrições do concurso público para Moço de Convés, segundo a velha tradição da Marinha do Brasil.

Compartilhar:
    Publicidade