Edital de licitação do VLT em Natal deve sair até maio deste ano

Projeto foi debatido durante audiência pública na Assembleia Legislativa

Audiencia-publica-sobre-VLT--JA

Roberto Campello

Roberto_campello1@yahoo.com.br

O projeto de implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) que pretende integrar e resolver parte do problema de mobilidade urbana da Região Metropolitana de Natal depende da liberação da Superintendência Nacional da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) para que a licitação das obras seja integrada ao projeto executivo, através do Regime de Contratação Diferenciado (RDC). A expectativa é que até o mês de maio, a Superintendência de Trens Urbanos de Natal tenha o aval e publique o edital de licitação para modernização e ampliação da linha férrea da Grande Natal, no regime de urgência, em função do RDC.

Na manhã de hoje (7), foi realizada uma audiência pública, proposta pelo deputado Fernando Mineiro, para discutir e divulgar o projeto de modernização e ampliação da linha férrea da Grande Natal. O evento contou com a participação de secretários e gestores dos municípios que compõem a RMN, técnicos da CBTU e da deputada federal Fátima Bezerra.

O novo sistema, desenvolvido pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), funcionará a partir da operação de sete linhas de VLT, implantadas em quatro etapas. Com a operação da primeira etapa, o VLT terá a capacidade de transportar cerca de 50 mil passageiros por dia. Ela atenderá ao sistema atual, em três linhas, cobrindo os municípios de Natal, Parnamirim, Extremoz e Ceará-Mirim, num total de 56 quilômetros.

O superintendente de Trens Urbanos de Natal, João Maria Cavalcanti, disse que o processo de implantação do VLT está adiantado, haja vista que o anteprojeto já está pronto. “O Governo já liberou os recursos, e não podemos demorar em elaborar o projeto e fazer licitação da obra. Por isso, estamos defendendo que o processo de licitação seja feita através da RDC. Dependemos apenas de uma decisão da CBTU, mas tem vários órgãos federais que estão agindo assim. Com isso, ganhamos tempo e assim o processo será implantado o quanto antes. A empresa vencedora se implantará dentro da CBTU e juntamente com os nossos técnicos vamos fazer a quatro mãos o projeto de modernização do nosso sistema”, afirmou o superintendente.

A fabricação dos veículos já está em andamento devido ao investimento de R$ 154 milhões do PAC Equipamentos, para a modernização do sistema de trens urbanos de Natal, o que permitiu a aquisição de 12 composições de VLT e duas locomotivas. Além desse investimento, o Governo Federal disponibilizou R$ 311,65 milhões, através do PAC 2 Mobilidade, para a modernização da estrutura, que engloba a via permanente e as estações. A verba será utilizada para dar início às obras do anteprojeto do VLT, apresentado pela equipe técnica da CBTU, em 2013. Com esses recursos, foi aprovado, também, a construção de três viadutos nas avenidas principais de cruzamentos: Avenida Bernardo Vieira, Capitão-Mor Gouveia e Mário Negócio.

“Estou indo amanhã a fábrica para atestar que os veículos estão sendo montados e no mês de maio já recebemos a primeira unidade. Além disso, as duas locomotivas que compramos devem chegar até o início do próximo mês e elas vão substituir de imediato as que estão sendo utilizadas hoje. Com a chegada do VLT as pessoas vão poder transportar com mais conforto, segurança e rapidez”, afirmou.

A arquiteta e urbanista Dulce Albuquerque, técnica da CBTU e coordenadora do projeto, explicou que a proposta tem o objetivo de transformar o sistema de trens de Natal em eixos estruturados dos transportes públicos da Região Metropolitana de Natal, bem como possibilitar a integração dos diversos modais e criar novos destinos.

O deputado Fernando Mineiro considera que a mobilidade é um dos graves problemas que afeta a Região Metropolitana de Natal e diante do projeto de VLT, elaborado pela CBTU, surgiu a necessidade de discutir, publicizar e debater a ideia. “É um projeto estratégico, que contempla não só Natal, mas os demais municípios. Queremos acompanhar a implementação e fazer com que a população conheça. Esse é um dos maiores projetos que estão sendo realizados, pois influencia diretamente na qualidade de vida das pessoas”, afirmou. “Nenhum modal exclusivo resolve o problema da mobilidade urbana, o desafio é fazer com que eles funcionem de forma articulada”.

A deputada federal Fátima Bezerra também participou da audiência e conta que a implantação do sistema do VLT foi uma luta pessoal desde o seu primeiro mandato na Câmara. Desde então, ela apresentou emendas aos PPAs de 2004/2007, 2008/2011 e 2012/2015. “A integração desses modais, como o VLT e o BRT, é o caminho mais adequado para enfrentarmos o problema da mobilidade urbana”, afirmou a deputada.

Projeto

O novo sistema funcionará a partir da operação de sete linhas de Veículos Leve sobre Trilhos (VLT), implantadas em quatro etapas. Com a operação da primeira etapa, o VLT terá capacidade de transportar cerca de 50 mil passageiros por dia. A primeira parte atenderá o sistema atual, em três linhas, cobrindo os municípios de Natal, Parnamirim, Ceará-Mirim e Extremoz, em um total de 56 quilômetros. A linha Amarela ligará o município de Parnamirim a Natal, com 12 estações e 17 quilômetros de extensão. A linha Verde ligará o centro de Natal ao extremo da zona Norte, com 10 estações e 15 quilômetros de extensão. A linha Azul ligará o extremo norte de Natal a Ceará-Mirim, com oito estações e 24 quilômetros de extensão. As linhas amarela e verde serão atendidas pelo VLT.

Na segunda etapa, será implantado o destino Campus Universitário, com a implementação de mais duas linhas. A linha Marrom, que ligará a Ribeira ao Campus Universitário e a linha Laranja, que formará um anel na região central de Natal, interligando todos os destinos.

A terceira etapa consistirá na implantação da linha Roxa, com destino ao Aeroporto Internacional de São Gonçalo do Amarante, formando um anel ferroviário metropolitano que ligará os municípios de Natal, Parnamirim, Macaíba e São Gonçalo do Amarante. A quarta etapa é a ampliação do ramal Sul já existente, em que será implantada a linha Branca, que funcionará como uma ampliação da linha Amarela, que se estenderá aos municípios de São José de Mipibu e Nísia Floresta.

 

Compartilhar: