Educação Infantil em Natal terá rede ampliada com 20 novos CMEIs

Até dezembro serão liberadas 3.840 novas vagas para crianças de 0 a 5 anos

Justina Iva informa que sete CMEIs estão sendo construídos nas zonas Norte e Oeste. Foto: Divulgação
Justina Iva informa que sete CMEIs estão sendo construídos nas zonas Norte e Oeste. Foto: Divulgação

Carolina Souza

Acw.souza@gmail.com

Vinte novos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) irão contribuir com o aumento do número de vagas na rede pública de ensino em Natal neste ano. De acordo com a secretária municipal de Educação, Justina Iva, sete dessas unidades serão inauguradas até junho deste ano, enquanto que as outras 13 deverão ser entregues até o mês de dezembro. Ao todo, serão oferecidas 3.840 novas vagas para a Educação Infantil.

Durante audiência pública realizada na manhã desta sexta-feira (14) na Câmara Municipal de Natal (CMN), onde foi debatido o panorama da Educação Infantil em Natal – proposição da vereadora Eleika Bezerra -, a secretária apresentou os dados, destacando empenho da SME em ampliar a rede municipal de educação para alcançar todas as comunidades.

“Nós estamos com sete CMEIs sendo construídos em Igapó, Potengi, Pajuçara, Planalto, Lagoa Azul e comunidade África, dando oportunidade para diversas famílias terem onde deixar seus filhos. Além disso, até o final do ano estaremos entregando mais 13 Centros de Educação Infantil, que serão distribuídos pelas zonas Norte, Sul e Oeste, com vagas para crianças de 0 a 5 anos”, informou Justina Iva.

Com obras avançadas, os sete CMEIs prometidos até junho totalizam 1.680 vagas das 3.840 previstas para esse ano. “Na medida em que forem sendo inauguradas, as matrículas serão liberadas. Na Educação Infantil esse processo não para”, destacou. As obras dos outros Centros, que serão construídos com recursos provenientes do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), terão início no dia 25 de março.

“Duas unidades terão obras iniciadas no dia 25. A cada 15 dias, o consórcio encarregado pelas obras dará início a mais duas construções, até completar as 13 unidades. Partindo da data de início das construções, o prazo de entrega será de seis meses para cada unidade”, afirmou.

Apesar das matrículas para a Educação Infantil neste ano terem encerrado no final de janeiro, a secretaria informou que ainda existem 531 vagas remanescentes a serem preenchidas. Conforme explica a secretária de Educação, há áreas em que a procura é maior que a oferta e outras localidades em que a procura não corresponde ao número de vagas ofertadas.

“Essa sobra de vagas se justifica em função dos bairros em que as escolas estão inseridas, se nessas regiões existem unidades da rede privada e também em função da mobilidade das famílias, que muitas vezes não têm condições de deslocamento. Outro fator que certamente interfere nessa situação é a questão da paralisação da rede pública. Os pais temem colocar seus filhos na escola pública e, por causa das greves, não ter como conciliar com o trabalho”, explicou.

Para a coordenadora-geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública (Sinte/RN), Fátima Cardoso, o número de vagas remanescentes não é suficiente para cobrir toda a população carente. “De fato, nós precisamos ampliar o número de vagas de um modo geral. Acredito que essas 531 vagas estejam sendo relacionadas às crianças de quatro a cinco anos. Nós consideramos a necessidade de oferta a partir dos quatro meses de idade”, disse.

Segundo Fátima Cardoso, o sindicato acredita que “não houve um levantamento da necessidade de ampliação de oferta aos berçários”. “Há um problema grande de estrutura dos berçários, que não conseguem atender à demanda. Por isso, estamos reivindicando a ampliação, principalmente para as crianças do nível I”, destacou a sindicalista.

“Queremos que o município crie condições não apenas nos CMEIs, mas também para os educadores infantis. A expansão da categoria ocorreu sem qualidade, o projeto político-pedagógico precisa ter um melhor acompanhamento e os nossos profissionais ainda carecem de direitos funcionais”, avaliou Cardoso.

 

Vereadora defende

educação em

período integral

A Câmara Municipal de Natal reuniu gestores e educadores da rede municipal para avaliar a situação da educação infantil da capital potiguar em audiência pública. Em seu depoimento, a vereadora propositora da audiência, Eleika Bezerra, destacou que a educação precisa avançar qualitativa e quantitativamente.

“O atendimento em Natal na Educação Infantil não está sendo suficiente. Nesse atual momento do ano, em que se fala tanto na Mulher, acho que a melhor homenagem que poderíamos prestar às mulheres-mães é assegurar um bom atendimento a suas crianças. Meu grande sonho é ver a população de Natal, dos zero aos quatro anos, atendidos pelo município em tempo integral. E é isso que eu quero propor nessa audiência. Se as crianças estivessem asseguradas educativamente em tempo integral, muito das mazelas neste mundo seriam extintas”, disse.

Compartilhar: