Eleika pode ser vice de Robinson Faria na disputa pelo governo do RN

Vereadora: “Me surpreendo com pessoas falando da professora candidata à governadora”

76i67i67i67i425wtwt

Alex Viana

Repórter de Política

A vereadora Eleika Bezerra (PSDC) está sendo cotada para ser candidata a vice-governadora na chapa do vice-governador Robinson Faria (PSD). Em contado com O Jornal de Hoje, nesta manhã, a vereadora admitiu sondagens em relação ao seu nome. Até uma conversa com o próprio pré-candidato do PSD, neste sentido, já ocorreu. “O PSDC ainda não tem uma posição em relação à chapa majoritária, mas eu tive uma conversa com Robinson, muito preliminar, com ele mesmo, mas ficamos de conversar. Ouvir é mais sábio que falar”, disse.

Cotada também para disputar o governo do Estado, Eleika diz que um partido – não revela o nome – a sondou para disputar o governo do Estado, na condição de candidata a governadora. “Tem partido de outras nuances, que já veio me indagar se eu assumiria uma candidatura assim (ao governo)”, disse. No entanto, sobre ser vice de Robinson, afirmou: “houve conversas, mas sem se chegar à proposta objetiva”.

“Eu fiquei nessa de ouvir, é uma situação que a gente tem que ouvir. De vez em quando me surpreendo, com as pessoas falando, da professora candidata à governadora, dando estímulos e incentivos. Prefiro me resguardar, e dar opinião com mais consistência”, afirmou Eleika Bezerra. Por destinar o vencimento de vereadora a entidades filantrópicas e cobrar ética dos colegas na Câmara Municipal de Natal, Eleika é vista como uma política de perfil moderno, em contraponto à política tradicional.

 

CONSULTAS

O presidente do PSDC, Joanilson de Paula Rego, retirou o apoio do partido à chapa liderada pelo deputado federal Henrique Alves (PMDB) e a vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria (PSB). Inicialmente integrante do chamado G-10, grupo de legendas que resolveu se juntar para se coligar na proporcional e apoiar em bloco uma chapa majoritária, o PSDC estranhou “o ritmo muito rápido” com que o G-10 definiu-se pela chapa Henrique/Wilma.

Entretanto, Joanilson não confirma aliança com o pré-candidato do PSD, Robinson Faria. Ele anuncia que irá viajar ao interior do Estado, nesta semana, para ouvir a população e o partido, antes de tomar uma posição. “O meu partido é democrático e meu estilo de administrar idem. Ouço as pessoas, não sou dono do partido. Eu não tinha viajado, vou essa semana a Caicó, Mossoró, Currais Novos. Estou ouvindo e conversando com todo mundo, e ainda não chegou a hora de tomar uma decisão. Eu não estava preparado para tomar essa decisão. Aí, pedi para tirarem o PSDC do G-10″, disse Joanilson.

“O nosso G 10 se uniu em torno do voto proporcional, aí colocaram o voto majoritário em discussão e deram a essa escolha um ritmo muito rápido, e eu não estava ainda (preparado para tomar uma posição)… Tanto é que pedi para me tirarem da aliança proporcional, que é para não prejudicá-los. Porque, se coligar na proporcional, tem que coligar com a mesma majoritária. Não houve nada demais, rejeição de maneira nenhuma. A proporcional eu decido facilmente. Na majoritária, tenho que ouvir as pessoas”.

Sobre indicar o vice de Robinson, Joanilson diz que não existe proposta concreta, mas apenas conversas. “Acho que é prematura qualquer proposta, porque não penso em ocupar posições. Mas tomar atitudes que reflitam o pensamento do partido, não mais isoladamente, como fiz noutras campanhas”. Segundo Joanilson, “é preciso promover o dialogo entre os que não têm a ilusão de bastar-se”. E completa: “Tive ilusão de que, sozinho, reformaria o Estado enfrentando o sistema político. Tenho que coligar com alguém, e não sei a quem. Quero viajar, ver o que as pessoas no interior pensam”, finalizou.

Compartilhar: