Em mensagem de Natal, papa lembra sofrimento causado pelas guerras

Em uma Praça de São Pedro lotada por milhares de pessoas, o papa começou citando o conflito na Síria, "que destruiu tantas vidas" e gerou "ódios e vinganças"

O papa Francisco apareceu nesta quarta-feira na sacada central da basílica de São Pedro, no Vaticano, para conceder a tradicional benção "Urbi et Orbi" (à cidade e ao mundo). Foto:Divulgação
O papa Francisco apareceu nesta quarta-feira na sacada central da basílica de São Pedro, no Vaticano, para conceder a tradicional benção “Urbi et Orbi” (à cidade e ao mundo). Foto:Divulgação

Em sua mensagem de Natal feita nesta quarta-feira o papa lembrou o sofrimento causado pelas “guerras que destroçam tantas vidas” e enumerou locais do mundo onde existem conflitos.

Na sacada central da basílica de São Pedro, no Vaticano, o papa concedeu a tradicional benção “Urbi et Orbi” (à cidade e ao mundo) e frisou que “as crianças são as vítimas mais vulneráveis das guerras”. Francisco pediu ainda que os “idosos, as mulheres agredidas e os doentes” também sejam lembrados.

Em seguida, o pontífice rogou a Deus que leve a paz para os lugares do mundo castigados por conflitos, como Síria, Iraque, República Centro-Africana e a Terra Santa, entre outros.

Em uma Praça de São Pedro lotada por milhares de pessoas, o papa começou citando o conflito na Síria, “que destruiu tantas vidas” e gerou “ódios e vinganças”.

“Sigamos rezando ao Senhor para que o amado povo sírio se veja livre de mais sofrimentos e as partes em conflito ponham fim à violência e garantam o acesso à ajuda humanitária”, disse Francisco.

O pontífice também lembrou a República Centro-Africana, “frequentemente esquecida pelos homens”, e pediu ao Senhor que “reine a paz também nesta terra atormentada por uma espiral de violência e de miséria, onde muitas pessoas carecem de teto, água e alimento, sem o mínimo indispensável para viver.

“Que se garanta a concórdia no Sudão do Sul’, rogou o papa, “onde as tensões atuais já provocaram vítimas e ameaçam a pacífica convivência deste jovem Estado”.

O primeiro papa latino-americano suplicou para que o coração dos violentos se “transforme” e estes larguem as armas e trilhem o caminho do diálogo.

Francisco lembrou também da situação da Nigéria, onde a “violência não respeita nem os inocentes e indefesos”.

Além disso, o papa pediu que a paz chegue à Terra Santa, para onde deverá viajar no ano que vem, e desejou sucesso nas negociações de paz entre israelenses e palestinos.

Francisco não se esqueceu do Iraque e rezou para a cura das “chegas da querida terra castigada por frequentes atentados”.

Em outra súplica, o papa pediu coragem e conforto aos “deslocados e refugiados, especialmente no Chifre da África e no leste da República Democrática do Congo”.

Francisco, que escolheu a ilha de Lampedusa como sua primeira viagem na Itália, desejou que os “imigrantes que buscam uma vida digna encontrem apoio e ajuda”.

“Que não assistamos de novo a tragédias como as que vimos neste ano com os vários mortos em Lampedusa”, acrescentou.

O papa também rezou para que “o menino de Belém toque o coração de quem está envolvido no tráfico de seres humanos para que se deem conta da gravidade deste delito contra a humanidade”.

Francisco também demonstrou compaixão pelas “crianças sequestradas, feridos e assassinadas nos conflitos armados e por aqueles que se veem obrigados a se transformar em soldados”.

E papa alertou ainda que “a cobiça e o egoísmo dos homens castiga indiscriminadamente” o planeta e pediu “proteção” para aqueles que sofreram desastres naturais, como os cidadãos filipinos afetados por um tufão.

Fonte:EFE

Compartilhar: