Empresa da Fifa começa a devolver reservas em hotéis na Via Costeira

Em alguns casos, 50% dos leitos não serão utilizados

Empresários foram surpreendidos com a alta quantidade de quartos devolvidos pela organização da Copa do Mundo. Foto: Divulgação
Empresários foram surpreendidos com a alta quantidade de quartos devolvidos pela organização da Copa do Mundo. Foto: Divulgação

Marcelo Hollanda
hollandajornalista@gmail.com

Sem apresentar nenhum motivo que explicasse as devoluções das reservas, a Match Services AG – operadora de turismo oficial da Fifa – começou a restituir parte dos bloqueios de leitos de hospedagem feitas por ela para a Copa do Mundo. Os primeiros hotéis a serem comunicados foram os da Via Costeira, alguns dos quais tiveram metade dos bloqueios ou mais devolvidos.

Nesta terça-feira à noite ou amanhã pela manhã, a diretoria da Associação da Indústria Hoteleira do Rio Grande do Norte (ABIH-RN) deve se reunir para avaliar a situação com base em números mais exatos.

Hoje, o presidente da ABIH no estado, Habib Chalita, disse que os hoteleiros precisarão fazer uma análise mais apurada da situação, já que ela implica em um cenário de mercado, de oferta e procura para a Copa do Mundo.

“Natal tem a menor média de diária dos hotéis localizados em cidades sede da Copa (R$ 250,00), de forma que essa devolução também abre espaços para que as empresas avaliem melhor suas possibilidades”, afirmou.

Perguntado se esse número de devoluções chegaria à metade, Chalita disse (faltando poucos minutos para o meio dia de hoje) que não poderia fazer esse prognóstico. “As devoluções só começaram hoje pela manhã, precisamos de mais tempo para avaliar a situação”, pediu.

Hoje, o hoteleiro Fernando Paiva, do Imirá, disse que metade dos bloqueios de apartamentos ali foram devolvidos pela Match. “Eu acho que eles fizeram bloqueios muito altos e agora estão sendo obrigados a devolver uma quantidade muito grande de apartamentos”, avaliou.

Com a notícia – ruim de um lado – de que as seleções com jogos marcados para Natal não se hospedarão na cidade e – boa, de outro – que companhias aéreas como a Azul já anunciaram um teto de preço das passagens para R$ 999,00 para Copa, Chalita acha que agora os hoteleiros devem parar e pensar.

A Match Services bloqueou 10 mil leitos dos 28 mil existentes em Natal (30%) ainda em 2007, quando foi anunciada a capital potiguar como uma das 12 sedes da Copa. Com base em expectativas futuras, muitos hoteleiros investiram pesado em suas estruturas, antecipando investimentos. Outros construíram hotéis novos.

A devolução dos leitos pela Match, que cobra 30% por cada negócio fechado, está previsto em contrato. O prazo final para a devolução dos bloqueios é de 31 de janeiro, mas os hoteleiros começaram a receber as reservas de volta hoje.

A Match organiza a viagem das delegações e vende pacotes de hospedagem e ingressos VIP para a Copa em todo o mundo e já fechou contratos para reserva antecipada de 45% dos quartos nos hotéis pesquisados.

Outros cerca de 40% (previsão do setor) ficam reservados para grandes clientes corporativos tradicionais das empresas hoteleiras, e 12% dos quartos já foram vendidos para torcedores independentes.

Assim, nos grandes hotéis das cidades-sede restam apenas cerca de 1.700 dos 55.894 quartos nos hotéis da pesquisa, que abrange 69% dos leitos disponíveis nas cidades-sede, sem contar outros meios de hospedagem como albergues.

Hoje, hoteleiros ouvidos pelo JH não deixaram de mostrar certa decepção com o volume de devoluções de reserva, embora confiem que ainda há tempo para correrem atrás de novas reservas e até mesmo repensarem as diárias até a Copa, que começa em junho.

Em agosto, foi revelado que o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) investigava a Match a pedido do MPF (Ministério Público Federal), já que a prática dos bloqueios poderia limitar a concorrência e estabelecer uma espécie de monopólio por parte da empresa. De acordo com resposta enviada pelo Cade à reportagem, a “investigação permanece em curso e ainda não há conclusão sobre o caso”.

Ao todo, até o início de dezembro, a Match oferecia hospedagem durante a Copa do Mundo em 813 hotéis de 108 cidades brasileiras, inclusive por meio da página oficial da Fifa na internet. Apesar de não haver um número oficial, a situação dos bloqueios verificada nos 248 hotéis associados pesquisados deve se repetir nos outros 565 hotéis oferecidos pela Match no Brasil.

Compartilhar: