Empresa é condenada em R$ 500 mil por chamar funcionário de bola murcha

Empregados que não atingiam as metas também eram obrigados a servir pizza à equipe vestidos de garçom

Segundo o MPT, a rede também foi condenada em R$ 50 mil por litigância de má-fé. Foto:Divulgação
Segundo o MPT, a rede também foi condenada em R$ 50 mil por litigância de má-fé. Foto:Divulgação

A rede varejista City Lar, do grupo Máquina de Vendas — o mesmo da Ricardo Eletro —, foi condenada em R$ 500 mil por assédio moral. A decisão é do juiz do Trabalho Fábio Sandim, da 1ª Vara do Trabalho de Rio Branco (AC).

Segundo nota publicada no site do Ministério Público do Trabalho (MPT), a empresa também foi condenada em R$ 50 mil por litigância de má-fé — quando uma das partes age de forma maldosa na ação e causa dano processual à parte contrária.

De acordo com a procuradora do Trabalho Rachel Neta, os empregados eram expostos a constrangimentos em reuniões. Segundo o MPT, eles eram chamados de bola murcha quando não atingiam as metas. Além disso, tinham de servir pizza aos demais funcionários vestidos de garçom.

“O apelido bola murcha é usado de forma pejorativa, pois tem o objetivo de demonstrar a insatisfação da empresa com aqueles vendedores que obtiveram um desempenho insatisfatório nas vendas”, explica a procuradora.

Procurado às 18h desta quarta-feira (5), o grupo Máquina de Vendas ainda não se manifestou.

Fonte:IG

Compartilhar:
    Publicidade