Encontro de criadores de labradores arrecada donativos para ONGs

Animais devem estar com todas as vacinas em dia e também a prevenção contra vermes e pulgas e carrapatos

Durante encontro, grupo também discute sobre a situação dos animais de rua. Foto: Divulgação
Durante encontro, grupo também discute sobre a situação dos animais de rua. Foto: Divulgação

Neste domingo (31), criadores de cachorros de raça do Rio Grande do Norte e seus animais farão uma “cãominhada” pela Via Costeira, durante o 5º Encontro dos Labradores de Natal. Durante o evento, que terá concentração no estacionamento do antigo Vale das Cascatas a partir das 15h, os participantes farão arrecadação de donativos em dinheiro ou sacos de ração, que serão doados para entidades que cuidam de animais em situação de rua, um dos temas bastante discutido entre o grupo, que foi criado em 2012.

Segundo um dos organizadores do evento, Thales Samir, as doações serão destinadas às organizações não governamentais (ONGs) natalenses que trabalham com a questão dos cachorros abandonados na cidade. Ele disse que, durante o momento de confraternização, os criadores também conversarão sobre a falta de políticas públicas voltadas para a área.

“Nosso grupo nasceu com o intuito de reunir criadores da raça labrador em toda a cidade, mas cresceu bastante e hoje, temos integrantes que criam outras raças também e a amizade entre todos tem crescido cada dia mais. Formamos uma grande família e uma das nossas preocupações hoje são os animais em situação de rua, que são abandonados e sofrem maus tratos, porque não há políticas públicas voltadas para essa área que é muito necessitada”, explicou.

Thales disse que, além dos donos de labradores, quem tiver animais de outras raças também podem participar da “cãominhada” e das demais atividades durante o encontro. Para isso, os animais devem estar com todas as vacinas em dia e também a prevenção contra vermes e pulgas e carrapatos. “Os donos também devem ter controle total sobre os cães, para evitar atritos com outros animais”, disse.

Thales ainda explica que que há integrantes do grupo que atuam no resgate a esses animais e que cerca de 70% desses cães chegam até os criadores com algum trauma de humanos, causados sobretudo pela violência sofrida. Há situações em que os cachorros estão tão estressados que acabam tentando atacar quem vai socorrê-lo, por medo de sofrer uma nova agressão. “Uma prova da falta de política pública para animais de rua é o caso do corpo do cachorro morto, que estava abandonado há mais de uma semana no canteiro central da BR-101, próximo ao Carrefour. Procuramos vários órgãos públicos para fazerem a remoção do corpo, mas todos ficaram transferindo a responsabilidade para outros e não tomaram nehuma providência. Enquanto isso, o cadáver permaneceu na entrada da cidade”, desabafou.

Compartilhar:
    Publicidade