Entenda o que é a dor de crescimento e saiba amenizar os sintomas

Problema atinge crianças e adolescentes, e causa sensação de peso e queimação

Dor é mais comum entre crianças dos 10 aos 15 anos. Foto: Divulgação
Dor é mais comum entre crianças dos 10 aos 15 anos. Foto: Divulgação

Pode ser que ele acorde, ou que simplesmente reclame durante o sono com choramingos — o fato é que, caso seu filho tenha dores de crescimento em um determinado momento da vida, ele vai dar sinais de sofrimento de alguma maneira e é importante estar atento a eles para saber até que ponto são normais ou precisam de mais cuidados.

Por mais que alguns pais acreditem que o fenômeno não passe de um mito, a dor de crescimento existe, sim, e afeta crianças e adolescentes causando uma sensação desagradável geralmente descrita como latejamento, queimação, peso e até mesmo formigamento nos membros inferiores.

“É uma dor de verdade, e que se explica porque acontece em uma fase de crescimento rápido do esqueleto, na qual o indivíduo “estica” muito rapidamente, explica Fabio Ancona Lopez, pediatra e professor da Unifesp (Universidade de São Paulo)”.

Lopez acrescenta que, embora varie por conta de fatores genéticos, a idade mais comum em que o problema aparece é dos 10 aos 15 anos. Mas, aconteça quando for, é imprescindível que pais e mães tenham em mente que se trata de uma dor legítima.

E, para se ter uma ideia de sua extensão, basta entender o que acontece durante este período, chamado de “espirão da puberdade”.

“É um momento em que a criança ganha 25% da altura final que terá quando adulto, e isso em apenas dois ou três anos. Natural que doa mesmo”.

Cientificamente, de acordo com Lopez, a dor de crescimento é quando há incômodo ou inflamação durante o processo de depósito dos cristais que formam os ossos. Infelizmente, não existe tratamento específico, mas é possível amenizá-la com analgésicos e massagens, por exemplo.

No entanto, o pediatra ensina que, caso o incômodo persista por muito tempo, é recomendável fazer o acompanhamento com um médico, que poderá pedir radiografias e outros exames de imagem para ver se há alguma alteração óssea.

Fonte: R7

Compartilhar: