Escola Estadual Cônego Monte amanhece com o teto no chão

Cobertura de sala de aula da unidade estadual desabou durante a madrugada desta sexta-feira

A escola é localizada no cruzamento da rua Jaguarari com a avenida Bernardo Vieira e tem cerca de 300 alunos. Foto: Wellington Rocha
A escola é localizada no cruzamento da rua Jaguarari com a avenida Bernardo Vieira e tem cerca de 300 alunos. Foto: Wellington Rocha

Carolina Souza
acw.souza@gmail.com

O teto de uma sala de aula da Escola Estadual Cônego Monte, localizada na zona Leste de Natal, desabou durante a madrugada desta sexta-feira (6). Segundo informações da direção da unidade, o espaço vinha sendo ocupado por 25 crianças no turno da manhã e outras 32 no período da tarde, que estavam cumprindo os últimos dias do calendário escolar. Porém, no momento do desabamento, ninguém estava nas dependências da escola.

De acordo com o Sargento Francisco Pereira, do Corpo de Bombeiros, um pavilhão com três salas foi interditado. Apesar de o teto ter caído sob uma sala, as outras duas que compõem o pavilhão também podem estar em risco. “Fizemos um laudo de notificação e uma vistoria foi solicitada pelo serviço de engenharia técnica para avaliar a estrutura do teto de toda a escola. O teto está visivelmente em péssimas condições”, declarou.

A diretoria da escola também foi notificada e deverá comunicar o ocorrido à Secretaria de Estado da Educação. A coordenadora administrativa da Escola Estadual Cônego Monte, Vanja Barros, conta que nunca foi observado sinais de risco na estrutura da escola. “Estamos agradecendo a Deus por isso não ter acontecido em quanto às crianças estavam em sala de aula. Certamente, isso foi providência divina”, afirmou.

As salas de aula são usadas por estudantes do 1º e 5º do Ensino Fundamental. Todos os alunos foram dispensados das atividades nesta sexta-feira, mas na próxima semana as aulas serão retomadas normalmente. A escola é localizada no cruzamento da rua Jaguarari com a avenida Bernardo Vieira e tem cerca de 300 alunos.

O subcoordenador de manutenção e construção escolar do setor de Engenharia da Secretaria de Estado da Educação (Seec), Clécio José Martins, informou que somente com o laudo será possível identificar a causa do desabamento. “Pode ser uma falha da madeira instalada, estrutura de sustentação danificada ou mesmo infestação de cupins. Já tínhamos feito algumas reparações nessa escola, mas nada relacionado ao teto, já que nunca foi observado questões de risco”, explica Clécio.

Questionado se a Secretaria não trabalha com um planejamento de vistoria nas escolas da rede, Clécio Martins justifica que é necessário dar prioridade aos ofícios enviados pelos diretores. “Nós temos mais de 700 prédios para dar conta. Não temos como estar sempre presente em todas. Quando algum problema é observado, os diretores acionam a Secretaria e nós encaminhamos a equipe de engenharia. Posso garantir que essa escola nunca apresentou problemas na cobertura. Foi uma surpresa para todos”, disse.

Compartilhar: