Estado vai até bancos debater crédito rural de longo prazo

BNB, Caixa e Banco do Brasil serão procurados pelo governo

Secretário Tarcísio Bezerra tentará criar nova linha de crédito para agricultores. Foto: Divulgação
Secretário Tarcísio Bezerra tentará criar nova linha de crédito para agricultores. Foto: Divulgação

Marcelo Hollanda
hollandajornalista@gmail.com

Está entre as prioridades do secretário de Agricultura, Tarcísio Bezerra, iniciar a próxima semana debatendo com os bancos oficiais (BNB, Caixa e BB) linhas de crédito para a agricultura potiguar ou o que sobrou dela depois da seca de 2012/2013.

A rodada de encontros começa pouco tempo depois do BNB ter contratado, entre julho a 25 de novembro último, mais de R$ 562 milhões do Plano Safra Pronaf Semiárido, um programação do Governo Federal que conta com R$ 4 bilhões para a agricultura familiar da região.

Hoje, o gerente para o setor rural da superintendência do BNB, Orlando Gadelha, confirmou ter sido procurado no fim do ano passado pelo secretário Tarcísio Bezerra para participar de reunião conjunta com o Banco do Brasil e Caixa na identificação com a finalidade de alinhar ações que ajudem o homem do campo – já no início de 2014. “A reunião deve acontecer nos próximos dias, mas a data ainda não foi confirmada”, afirmou Gadelha.

Hoje, o secretário Tarcísio Bezerra antecipou que o escopo dessas reuniões tem como objetivo traçar uma estratégia de longo prazo (20 anos) para atender às necessidades de crédito do agricultor, bem como recompor as propriedades devastadas em apenas dois anos pela seca que atingiu o estado. “Essa é uma das prioridades de 2014″, assegurou o secretário.

No caso da superintendência do BNB, os  recursos foram distribuídos em 130.860 operações de crédito. Somente no Rio Grande do Norte, a quantidade de operações e valores contratados foi de 10.799 e R$ 48 milhões, respectivamente. O crédito para custeio tem taxas de juros de 1% a 3% ao ano, e investimentos, de 1% a 2% ao ano, para agricultores familiares de todos os portes.

Os chamados pronafianos do grupo B, que possuem renda bruta anual de até R$ 20 mil, são atendidos por programas de microcrédito rural do BNB como o Agroamigo, com taxa de juros de 0,5% ao ano e desconto de 40% para o pagamento realizado em dia. Ele  também atende agricultores familiares de outros Grupos do Pronaf em operações de até R$ 15 mil, com crédito orientado e acompanhado.

Mesmo com produtores rurais localizados no semiárido com suas execuções e prazos processuais suspensos até dezembro de 2014 e novos descontos para liquidação de operações de crédito rural contratados até 2006, no caso do BNB, o secretário Tarcísio Bezerra acha que é preciso mais.

“Os danos causados pela seca aniquilaram propriedades que precisam receber apoio e é isso que nós vamos sistematizar com os bancos oficiais em seus diferentes programas nessa área”, afirmou Bezerra.

O secretário adiantou que tão logo o período de chuvas iniciar, o que deve acontecer a qualquer  momento, o Estado já tem R$ 3,9 milhões em caixa de recursos próprios para recompor em 2009 toneladas o banco de sementes dos agricultores potiguares. Essas sementes são produzidas parte pela Emparn e parte pela Santana Sementes.

Outra preocupação, nesse momento, é garantir por meio de projetos a garantia de recursos para a construção de 170 casas de mel no estado para a certificação do produto a um custo de R$ 15 mil por unidade.

Ainda segundo Bezerra, o governo já conseguiu assegurar outros R$ 2 milhões junto ao Ministério da Agricultura (Mapa) para manter em funcionamento o Instituto de Defesa Agropecuária do RN (Idiarn).

Compartilhar: