Estudante desaparecido é encontrado morto a tiros e com mãos amarradas

Vítima sumiu após se envolver em briga com moradores de rua no centro de São Paulo

Luis Felipe Gonçalves Siqueira Dias, de 23 anos, estava desaparecido há onze dias. Foto: Divulgação
Luis Felipe Gonçalves Siqueira Dias, de 23 anos, estava desaparecido há onze dias. Foto: Divulgação

O corpo do estudante de fotografia Luis Felipe Gonçalves Siqueira Dias, de 23 anos,desaparecido havia uma semana, foi reconhecido pela família na noite de segunda-feira (1º). O cadáver foi encontrado às margens da rodovia Mogi-Bertioga, em Mogi das Cruzes, na região metropolitana de São Paulo, na segunda-feira da semana passada (25), no entanto, como estava sem documentos, permaneceu como indigente até ser identificado pelos parentes. A vítima levou dois tiros e estava com as mãos amarradas. Ele chegou a ligar para casa pedindo ajuda.

O pai da vítima, Fernando Siqueira Dias, chegou ao IML (Insituto Médico Legal) de Mogi no fim da noite e reconheceu o corpo do filho.

“Até então, a gente achava que ele podia estar perdido. Na esperança de ele voltar, ligar, fazer alguma coisa.”

Um sitiante encontrou o corpo do estudante e chamou a polícia. A vítima estava com as mãos amarradas e tinha marcas de tiros na cabeça e no peito. Os peritos suspeitam que ele tenha sido morto no dia 24 de agosto, no mesmo dia em que falou com o pai pela última vez.

Ele disse que estava na região do Brás, na área central de São Paulo. A família rastreou o número e descobriu que a ligação partiu, na verdade, em um orelhão em Poá, município da grande São Paulo, como conta o pai da vítima.

“O pessoal de Poá falou que ele estava muito alterado, muito agressivo, não sabia direito onde morava e o que estava acontecendo. Até um pessoal de lá tentou ajudar: “Eu te levo pra casa, fala onde você mora”. Diz que ele não sabia onde morava. Aí ficou essa dúvida do que aconteceu ai.”

A família sentiu a falta do estudante na manhã de sábado (23). A mãe percebeu que ele não havia dormido em casa e foi até a delegacia na região da Sé para registrar um boletim de ocorrência por desaparecimento. Ali ela ficou sabendo que o filho havia se envolvido em uma briga na sexta-feira (22), com moradores de rua, na região central da capital paulista. Dias ficou ferido e foi levado para um hospital. Mas ele recebeu alta sem que a família fosse avisada.

Luis Felipe Gonçalves Siqueira Dias estava desaparecido desde o dia 22 de agosto, quando o jovem, que trabalhava como produtor em um filme dirigido por um colega do curso de cinema da FAAP, foi gravar em Paranapiacaba, município de Santo André, no ABC paulista.

Fonte: R7

Compartilhar:
    Publicidade