Etapa de esgotamento em Ponta Negra será concluída na próxima semana

A obra teve início em agosto de 2013 e complementa a rede de saneamento básico da zona Sul de Natal

Obra_emissário_PN

A Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) conclui na próxima semana, a instalação do emissário de esgoto que integra o sistema de esgotamento sanitário da região de Capim Macio, Neópolis, Pirangi e parte de Ponta Negra, zona sul da capital. Esta tubulação vai transportar efluentes destes bairros para a Estação de Tratamento de Esgotos (ETE) de Ponta Negra, onde receberão o tratamento adequado.

Os trabalhadores executam a obra na Avenida São João Del Rey, incluindo a retirada da parte do asfalto e rochas para instalar a parte final do emissário, que tem tubos com diâmetro de 700 milímetros. É o trecho final do emissário que tem a extensão de aproximadamente 4 km.  A obra faz parte do Sistema de Esgotamento Sanitário do bairro de Capim Macio. O emissário instalado terá a função de transportar os rejeitos das “caixas de transporte” até a ETE.

ESGOTAMENTO ZONA SUL

A obra teve início em agosto de 2013 e complementa a rede de saneamento básico da zona Sul de Natal, cuja previsão para conclusão em Agosto de 2015. Serão construídas duas elevatórias: uma será localizada na esquina da avenida Ayrton Senna com a av. das Alagoas e a outra na rua Junqueira. Atualmente está em finalização a instalação de cerca de 12 mil caixas de inspeção (que coletam o esgoto nas calçadas), distribuídas nos bairros que a obra atinge.

Também será edificada uma caixa de transição em um terreno nas imediações da rua São Miguel dos Caribes. E ainda a instalação de coletores (tubulação de transporte de rejeitos) em Neópolis. A obra tem o custo aproximado de R$ 9,8 milhões e é executada pela Hidroconsult.

TRANSPOSIÇÃO DE ESGOTO

Os dejetos são captados na caixa de inspeção e através de tubulação coletora seguem às estações elevatórias de esgotos. De lá, o material recebido é bombeado à caixa de transporte, localizada em um ponto elevado. Os rejeitos são então transferidos por gravidade até a ETE, onde receberá tratamento adequado.

Compartilhar: