Eurico descarta virar a mesa, mas diz que jogo da queda nem deveria ter começado

Ex-presidente diz que só imbróglio com Fla e Lusa pode salvar Vasco de Série B e que não deixaria partida contra atleticanos ser realizada por falta de segurança

Eurico Miranda pretende voltar à presidência do Vasco em eleições ainda sem data definida. Foto:Divulgação
Eurico Miranda pretende voltar à presidência do Vasco em eleições ainda sem data definida. Foto:Divulgação

Se depender de Eurico Miranda, o Vasco terá que se contentar em disputar a Série B do Brasileirão em 2014. Candidato à presidência do clube, o dirigente descartou tentar alguma medida que possa “virar a mesa”. No entanto, sempre polêmico, afirmou que, se ele estivesse no poder, o jogo contra o Atlético-PR, que selou a queda do time carioca, não teria acontecido.

“Em primeiro lugar, a partida nem se realizaria. Porque a partida estava com absoluta falta de segurança. Nem teria começado! Em segundo lugar, sem dúvida nenhuma, se eu sou o presidente o Vasco não continuaria jogando”, afirmou Eurico em entrevista.

“Ninguém inicia uma partida com absoluta falta de segurança, com a torcida adversária tendo aconselhado pelo site que mulheres e crianças não deveriam ir ao jogo. É algo mais do que premeditado. E diante daquilo que aconteceu você começa com um primeiro grande culpado, que é aquela que organiza a competição. Era uma partida de alto risco! E a CBF foi conivente, deixou a coisa acontecer”, completou o ex-presidente vascaíno.

Vasco e Atlético-PR se enfrentaram em Joinville na última rodada do campeonato do ano passado. Sem a presença da Polícia Militar dentro do estádio, o jogo foi interrompido ainda no primeiro tempo devido a violenta batalha entre torcedores dos dois clubes. O duelo foi reiniciado uma hora e 13 minutos depois e os atleticanos golearam por 5 a 1, confirmando a ida dos cariocas à Série B.

Mas a realidade do novo rebaixamento é encarada com certo conformismo por parte de Eurico. O dirigente disse que, como torcedor, desejaria a permanência do Vasco na elite, mas que não há espaço para tentar brigar por isso. A salvação, segundo ele, seria a confusão que envolve Portuguesa, Flamengo e Fluminense.

“Sinceramente, eu não vejo por esse lado. Eu vejo é que depois [da briga] aconteceram uma série de outros incidentes, que foram os casos de Portuguesa e Flamengo, que, eu entendo, juridicamente não têm solução. Se quiserem uma solução clara, será política. Agora, não há como o Vasco, depois da atitude que tomou, querer reivindicar alguma coisa no judiciário. Acho que a esperança do Vasco é justamente esse imbróglio que está acontecendo”, disse Miranda.

Fonte:IG

Compartilhar: