Ex-diretor nega organização criminosa dentro da Petrobras

Paulo Roberto Costa, que chegou a ser preso pela Polícia Federal, disse que a estatal não é uma "casa de negócios"

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa negou nesta terça-feira a existência de uma organização criminosa na estatal. Em depoimento na CPI da Petrobras no Senado, Roberto Costa repudiou a divulgação de denúncias contra ele no momento em que esteve preso por suposta participação em um esquema de lavagem de dinheiro.

“Como todos sabem, fiquei retirado do convívio social por 59 dias (período em que esteve preso) e não tive oportunidade de colocar nenhuma posição minha. Foram colocadas situações irreais que eu repudio veementemente que a Petrobras era uma casa de negócios, que tinha uma organização criminosa. A Petrobras é uma empresa extremamente séria, extremamente competente”, disse o ex-diretor, investigado na Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

Paulo Roberto Costa traçou um histórico de sua carreira na Petrobras, na qual entrou por concurso público na década de 70. Ele disse que a imprensa tentou colocar uma “pedra” na história dele dentro da estatal.

“Eu coloco para vocês que a Petrobras não é nada disso que está se falando. Alguns veículos de comunicação colocaram alguns dados sem fundamento, sem direito nenhum de eu colocar uma contraposição. Isso colocou uma pedra em cima da minha carreira na Petrobras, eu fui para Petrobras por competência técnica. Realmente conseguiram colocar minha figura dentro do cenário nacional, uma posição extremamente delicada, sem fundamentos. me sinto muito constrangido disso tudo que está acontecendo.

Fonte: Terra

Compartilhar:
    Publicidade