Ex-vereador se apresenta à Polícia e é 13º preso por briga de torcidas

No último dia 10, Borghetti alegou "razões pessoais" para deixar o cargo após a repercussão do caso

A operação conjunta deflagrada nesta quinta-feira pelas polícias de Rio de Janeiro, Santa Catarina e Paraná para prender torcedores de Atlético-PR e Vasco conseguiu que o ex-vereador de Curitiba, Juliano Borghetti (PR) se entregasse no final da parte da manhã.

Ele foi apresentado na Demafe (Delegacia Móvel de Atendimento ao Futebol e Eventos) e esteve acompanhado pelo advogado Caio Fortes de Matheus. No último dia 10, Borghetti já havia divulgado carta endereçada ao governador Beto Richa (PSDB) alegando “razões pessoais” para deixar o cargo após a repercussão do caso.

O ex-vereador é o 13º torcedor preso desde que a operação “Cartão Vermelho” foi iniciada às 5h desta quinta-feira. Os brigões foram identificados por meio de fotos e imagens de TV durante o confronto.

Todos os detidos serão transferidos para Joinville, local no qual a investigação segue. A Polícia prendeu dez torcedores no Paraná. Um homem foi detido no Rio de Janeiro e outros dois em Santa Catarina. Na sede da torcida organizada Os Fanáticos, um computador foi apreendido.

No dia 8 de dezembro, Atlético-PR e Vasco faziam jogo decisivo pelo Campeonato Brasileiro, em Joinville. A partida foi interrompida aos 16min do primeiro tempo, quando os paranaenses venciam por 1 a 0. Após mais de uma hora de paralisação por causa do confronto entre torcedores, o árbitro retomou o jogo – que terminou em 5 a 1 para o time rubro-negro.

Leone Mendes da Silva, 23 anos, Jonathan Santos, 29 anos, e Arthur Barcelos de Lima Ferreira, 26, foram presos logo após o episódio de violência, ainda em Santa Catarina. Os torcedores vascaínos estavam escondidos dentro de um dos ônibus oriundos do Rio de Janeiro e foram detidos pela Polícia Militar.

Na última quarta-feira, a Justiça negou o pedido de liberdade provisória ao trio, que responde por tentativa de homicídio e está detido na Penitenciária Agrícola da cidade catarinense após transferência do Presídio Regional.

Os vascaínos foram flagrados espancando os rivais. Durante o confronto, quatro torcedores estiveram hospitalizados, mas já foram liberados e passam bem. Os brigões respondem por tentativa de homicídio, crime contra o patrimônio público e por ferir o artigo 41B do Estatuto do Torcedor (incitar violência no estádio).

Ex-vereador Juliano Borghetti foi reconhecido na briga. Foto: Divulgação
Ex-vereador Juliano Borghetti foi reconhecido na briga. Foto: Divulgação

 

 

Fonte: Uol

Compartilhar: