Fábio Dantas ataca: “Henrique é o candidato da promessa e do blá, blá, blá”

Candidato a vice-governador de Robinson ressalta falta de projetos e ações do presidente da Câmara Federal

Fábio: “Em 44 anos, Henrique só fez cinco projetos e um deles foi emprestar o nome do pai ao aeroporto de São Gonçalo”. Foto: Divulgação
Fábio: “Em 44 anos, Henrique só fez cinco projetos e um deles foi emprestar o nome do pai ao aeroporto de São Gonçalo”. Foto: Divulgação

Candidato a vice-governador na chapa de Robinson Faria (PSD), o deputado estadual Fábio Dantas (PC do B) afirmou na manhã desta quarta-feira, momentos antes de conceder uma entrevista ao jornalista Gleydson Batalha, na TV União, que o candidato do PMDB a governador, atual presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves, é “o candidato da promessa e do blá, blá, blá”.

Segundo Fábio, em 44 anos como deputado, Henrique só apresentou cinco projetos de lei, média de um projeto a cada dois mandatos. Para completar, segundo o oponente, Henrique, na condição de presidente da Câmara, usou sua força política para trazer dezenas de ministros ao Estado, gerando mídia em jornais e redes sociais, fortalecendo sua imagem de candidato realizador, mas sem que as ações efetivas se concretizassem, o que, para ele, é uma fraude.

“Em 44 anos, Henrique só fez cinco projetos e um deles foi emprestar o nome do pai ao aeroporto de São Gonçalo – que se chama governador Aluizio Alves. Além disso, os projetos que Henrique disse que ele traria ao RN, como a Zona de Processamento de Exportações (ZPE) de Macaíba, nunca saíram do papel”, criticou Fábio, que tem se notabilizado nesta campanha pelo apontamento de contradições dos adversários.

“Henrique trouxe aqui o ministro da Saúde, prometendo melhorar o Walfredo Gurgel e nada, trouxe aqui o ministro da Justiça, dizendo que iria resolver o problema da segurança pública, com o Brasil Mais Seguro e parece que o Rio Grande do Norte está mais inseguro”, lembrou o parlamentar, afirmando que tudo em que Henrique põe à mão é questionável. “Ele emprestou seu apoio, aderiu ao governo Aldo Tinoco, a Geraldo Melo, apoiou o segundo governo de Wilma de Faria, aderiu ao governo de Rosalba Ciarlini, ao de Micarla de Sousa. E todos esses governantes fracassaram. Ou seja, coincidentemente os políticos que o apoiaram se destruíram”, afirmou Dantas.

Ainda segundo Fábio Dantas, o PMDB, partido presidido por Henrique no RN, governou e ainda governa durante o mandato da governadora Rosalba. “Hoje os secretários de Desenvolvimento Econômico, da Secretaria de Trabalho, Habitação e Assistência Social e de Recursos Hídricos, são comandadas ainda pelo PMDB. Inclusive um filho de um sócio do deputado Henrique na Rádio Cabugi do Seridó é indicado dele ao governo Rosalba”, afirmou Fábio. Segundo ele, parte do governo Rosalba vai permanecer em eventual governo Henrique, citando Demétrio Torres, atual diretor do DER, por ser indicação de José Agripino, além dos secretários de Saúde e Educação.

“O que resta é a população derrotar Henrique”, destacou Fábio Dantas, criticando Henrique por aprovar lei que vai privilegiá-lo, caso perca a eleição, aposentando-se com o maior salário da República. “Por incrível que pareça, a derrota vai privilegiar a ele por uma lei que ele ajudou a construir no Congresso Nacional. Se perder a eleição vai se aposentar com os proventos de deputado federal integrais, diferentemente de um cidadão que passa a vida inteira trabalhando, como, por exemplo, um trabalhador rural que a vida inteira teve que trabalhar todos os dias”.

Compartilhar:
    Publicidade