Fábio Holanda: “Henrique cresceu o esperado e Robinson não reagiu ainda”

Para Fábio Holanda, hoje Henrique seria governador e Fátima Bezerra seria eleita senadora

Fábio Holanda afirma que Henrique leva vantagem e Fátima está em crescimento. Foto: José Aldenir
Fábio Holanda afirma que Henrique leva vantagem e Fátima está em crescimento. Foto: José Aldenir

Ex-presidente do PR em Natal, o advogado Fábio Holanda avalia que a campanha eleitoral deste ano está tranquila no Rio Grande do Norte sob o ponto de vista jurídico, não se apresentando nenhuma perspectiva de maiores litígios com relação à campanha para governador. Do ponto de vista político, ele observa que a disputa também está num bom nível, absolutamente polarizada entre os candidatos Henrique Alves (PMDB) e Robinson Faria (PSD), sem perspectiva de terceira candidatura que possa ter votação maior, e com ligeiro favoritismo para Henrique.

“Até agora, Henrique tem tido postura muito firme, de muitos apoios no interior, e isso deve ter um reflexo grande. E Robinson teria que melhorar a posição dele em Mossoró e em algumas cidades polos para tentar fazer frente aos municípios maiores. Mas, até agora, isso não está se verificando de uma maneira mais forte”, avalia.

Na visão de Fábio Holanda, hoje Henrique seria governador e a deputada federal Fátima Bezerra, do PT, seria eleita senadora derrotando a ex-governadora e atual vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria (PSB). “Acho que, com relação ao Senado, que Fátima vem numa trajetória de crescimento, e isso vem se refletindo nos apoios que está recebendo, enquanto que Wilma vive processo de estagnação, no mínimo”, afirma.

Ainda com relação ao governo, Holanda lembra que Henrique, no começo da campanha, tinha perspectiva de crescimento maior. “Ele não teve o crescimento que se esperava, mas Robinson não reagiu ainda. Então, Henrique mantém certo conforto em relação a Robinson, não há diferença grande. Acredito que, diante do desempenho das outras três candidaturas, é o suficiente para Henrique ganhar a eleição no primeiro turno”, declarou.

Sobre os debates, Holanda considera estarem num bom nível. “Mas acho que o próximo governador, seja Henrique ou Robinson, terá dificuldade bem maior do que o que se apresenta nos debates. O RN tem a mesma quantidade de servidores que o estado do Ceará, três vezes a população e cinco vezes a arrecadação. Conta dificil de fechar”.

Outro problema, de acordo com Fábio Holanda, é que Estado tem em torno de apenas 2% para investimentos na melhora das expectativas. “Como a receita não tem alcançado o que se esperava, mesmo que tenha o apoio do governo federal, o Estado teria que ver contrapartidas. Portanto, acho que as dificuldades serão bem maiores que o que tem sido demonstrado nos debates. Precisaria ser aprofundado mais isso”, observa.

Compartilhar: