Fábio manda recadinho ao acordão de Henrique: “RN não tem preço”

Deputado estadual pode ser o futuro candidato a vice-governador na chapa de Robinson Faria, do PSD

45yu454y454

Alex Viana

Repórter de Política

O deputado estadual Fábio Dantas (PC do B) disse hoje que “o Rio Grande do Norte não tem preço”. A declaração, em entrevista ao “Jornal da Cidade” (94 FM), surge dias após a polêmica defecção da deputada estadual Gesane Marinho (PSD), do partido do vice-governador Robinson Faria (PSD), que aderiu à pré-candidatura do deputado federal Henrique Eduardo Alves (PMDB) a governador nessas eleições.

Gesane alegou dificuldades para a reeleição na coligação do vice-governador, desistindo da candidatura e anunciando apoio integral à chapa que terá Henrique candidato ao governo e a vice-prefeita Wilma de Faria (PSB) disputando o Senado. “O sentimento da população é de independência muito grande. As pessoas querem ser livres para escolher em quem votar. O RN não tem preço, o RN não tem valor. O único valor que a população quer para o RN é mais saúde, segurança, mais educação, mais mobilidade, mais, mais e mais. O povo quer mais”, afirmou Fábio, durante a entrevista.

A crítica do parlamentar ao acordo liderado por Henrique foi além. Ele afirmou que o Rio Grande do Norte não se resolve apenas com “poder”. Em sua avaliação, “as pessoas que estão à frente de uma campanha política têm que dizer à sociedade como vão fazer mais”. E acrescentou: “Ninguém vai construir uma sociedade melhor ouvindo apenas quem está no poder não. Nós temos que ouvir todos e a partir disso construirmos uma nova prática que é responsabilidade de todos. Eu não vejo isso nesse contexto que está sendo construído, de união de todas as forças políticas dos últimos quarenta anos. Porque essas pessoas não pensam como os jovens de hoje. Talvez pensem como os governantes que vêm de lá para cá”.

Ao falar que o palanque em torno de Henrique reúne as forças políticas tradicionais que governam o estado há quatro décadas, Fábio Dantas refere-se aos apoios já consagrados ao pré-candidato do PMDB nessas próximas eleições, sobretudo, dos ex-governadores Wilma de Faria (PSB), Garibaldi Filho (PMDB), José Agripino (DEM), Geraldo Melo (PMDB), Lavoisier Maia (PSB) e Vivaldo Costa (PROS). Além disso, agrega a esse palanque lideranças políticas satélites, como o deputado federal João Maia (PR) e, hoje, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ricardo Motta, dentre outras.

Segundo Fábio, “as pessoas que estão à frente de uma campanha política têm que dizer à sociedade como vão fazer mais. Não é apenas com um simples discurso que tem poder e o poder vai trazer as mudanças que a população clama não. O que o povo quer é ser ouvido. Governar o estado do Rio Grande do Norte, governar o elefante, não é fácil, a governadora Wilma já dizia isso na gestão passada”.

Fábio ressaltou, ainda, “o desafio de não fazer parte desse grupo político”, algo que o “instiga e motiva”. “Por que (esse grupo de políticos) não se reciclaram”, acrescentou, destacando que, para eles, “a fórmula de construir o poder ainda é a mesma”. E disse: “Quando você vê o afinamento para vencer uma eleição, sem colocar na pauta como a população pensa, aí você começa a colocar todas as tribos juntas, sem se lembrar que as tribos têm cor, sentimento e cultura. A população vai julgar essas mesmas pessoas”.

Fábio realçou, por fim, que as pessoas nas ruas estão comentando e dizendo que o “poder é muito grande”. Segundo ele, “as pessoas ficam assustadas e dizem assim: vai ter que ser esse grupo político o vitorioso; eu penso diferente, que a disputa é muito salutar, principalmente a divergência, e o principal disso, o sentimento de cada um poder dar a sua opinião”, afirmou, salientando que, em caso de vitória eleitoral, “quem vai governar o estado não vai receber a opinião de ninguém, porque o seu grupo está fechado com todos esses compromissos enormes de governar o Rio Grande do Norte”, disse ainda.

“PMDB governou e governa com Rosalba Ciarlini”

Para Fábio Dantas, foi o PMDB, do deputado Henrique Alves, quem governou o Rio Grande do Norte durante o governo Rosalba Ciarlini, fruto de opção política errônea da governadora do Estado, pensando em ter, através do ministro da Previdência, Garibaldi Filho (PMDB), e do hoje presidente da Câmara dos Deputados, acesso ao governo federal.

Segundo Dantas, além de ter participado massivamente da gestão Rosalba, o PMDB continua governando o estado, através de peemedebistas que ocupam postos chaves na administração. “Foi o PMDB quem governou o RN nesses últimos quatro anos e continua governando. Se olhar a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Silvio Torquato, é tio do deputado Gustavo Fernandes (PMDB). Se chegar à Emater, o ex-prefeito de Nova Cruz é do PMDB. E tantos outros que fazem parte do governo”, afirmou.

Segundo Fábio Dantas, a presença maciça do PMDB na gestão Rosalba é fruto de erro político de Rosalba, sobretudo porque Rosalba quis permanecer no DEM, quando poderia ter ingressado numa legenda da base da presidente Dilma Rousseff (PT). “A opção dela foi governar para ter acesso fácil a Brasília. Poderia ter tido isso indo para outro partido. Então, ela começou errada no campo político”.

O deputado apontou a “esterilização da governadora”, não concordando com a forma como tiraram da governadora a oportunidade de disputar a reeleição. “O RN é o único estado brasileiro que a governadora não poderá ser candidata à reeleição por decisão do próprio partido. Ela que destoou porque não quis trair o seu partido quando teve opção de ir para o PSD. Paga o preço pela confiança do seu grupo político”.

Para Fábio, quem deveria julgar a governadora seria o povo, não o partido. “Desse ponto de vista, eleição começa diferente, porque não teremos o candidato natural. Natural seria disputar e se estivesse bem ser reeleita. Mas quem se inviabilizou foi ela”.

O parlamentar também teceu críticas no campo administrativo a Rosalba. Segundo ele, a governadora não conseguiu vencer a guerra da segurança e da saúde, inviabilizando o próprio governo. “Teve cantos bons como infraestrutura, como uma secretaria muito eficiente. A Educação continuou o que tinha. A Agricultura pecou muito”, afirmou.

Confirmada aliança do PC do B com Robinson e Fátima Bezerra

Fábio Dantas confirmou que o PC do B fará aliança com o PSD e o PT para as eleições gerais deste ano. Segundo ele, os partidos estarão coligados na chapa majoritária, encabeçada pelo vice-governador Robinson Faria (PSD) e tendo a deputada federal Fátima Bezerra (PT) candidata ao Senado, e na chapa proporcional para deputado federal. A exceção será a chapa proporcional para deputado estadual, onde a aliança do PC do B será apenas com o PT.

Instado a falar sobre a possibilidade de o PC do B indicar o vice-governador, Fábio disse que o PC do B faz parte de uma aliança política, mas acredita que a escolha do vice deverá ser de Robinson, consultando os partidos (PT, PC do B e PSD). “Eu espero que nos próximos dias isso tenha definição e que o vice-governador Robinson faça a escolha do seu companheiro de chapa e submeta aos partidos políticos para que todos façam democraticamente a escolha, haja vista que a disputa não é fácil”, afirmou.

Fábio encerrou a entrevista vaticinando que a eleição deste ano para o governo será duríssima, com o voto a voto sendo disputado até o final. “Pode escrever o que eu estou dizendo: essa eleição vai ser voto a voto e as urnas vão decidir de uma forma totalmente diferente do que alguns analistas políticos pensam”, afirmou, ressaltando o trabalho de mapeamento estadual nos municípios a respeito de quem apoia quem. “E eu comecei a fazer para essa majoritária; surpreendi-me bastante, porque a maioria das cidades do Rio Grande do Norte vai dar uma resposta totalmente diferente do que está sendo pensado e avaliado por todos eles. A eleição é uma eleição atípica e vai ser decidida nos últimos instantes, diferentemente até – eu vou relembrar – 1998, quando todos diziam que a maioria do governador Garibaldi, candidato a reeleição, era 200 mil votos, foi 2700 votos, e o povo, se soubesse daquilo ali, tinha tido segundo turno. Essa agora não vai ter segundo turno não, ela vai ser decidida no primeiro turno”.

Compartilhar: