Atores protestam: “Objetivo é melhorar qualidade artística”

Ao iG, Antonio Fagundes fala pela primeira vez sobre as reuniões em sua casa para discutir condição de trabalho dos atores e sugerir soluções para atrasos nas gravações, hora extra e participações dos artistas nos programas da emissora

Atores estão insatisfeitos com condições de trabalho oferecidas pela emissora. Foto:Divulgação
Atores estão insatisfeitos com condições de trabalho oferecidas pela emissora. Foto:Divulgação

Figurar no elenco de uma novela da TV Globo é desejo da maior parte dos profissionais do meio artístico. Mais ainda ter um contrato fixo com a emissora brasileira de mais prestígio, maior audiência e mais premiada internacionalmente no segmento de teledramaturgia.

Trabalhar na Globo é sinônimo de reconhecimento, melhores salários, estabilidade profissional, valorização da imagem, visibilidade e boas condições de trabalho. Isso tudo é verdade, mas não satisfaz plenamente as expectativas de Antonio Fagundes e outros famosos do casting da emissora carioca.

Há mais de um mês, o intérprete de César na novela “Amor À Vida” tem promovido reuniões com colegas da emissora em sua casa no Rio de Janeiro, no intuito de elaborar uma carta de reivindicações para a direção da TV Globo. No momento, cada artista do grupo é responsável por fazer uma lista de cinco solicitações para que os pedidos sejam compilados numa próxima reunião e um memorando seja entregue à emissora.

Antonio Fagundes falou pela primeira vez sobre as reuniões. “Achamos que o momento é de diálogo e vontade de aprimorar. A empresa tem incentivado essa troca. Por isso, resolvemos dar nossa contribuição, como parte integrante e fundamental que somos de todo o processo criativo e produtivo. Acho que isso é natural e bem vindo. A Globo é uma empresa da qual nos orgulhamos e é um prazer para todos nós ter esse canal aberto para as contribuições. Afinal, o objetivo de todos nós é melhorar cada vez mais a qualidade artística dos programas”, explicou Fagundes. Mesmo assim, muitos atores que trabalham por obra – ou não são do cacife de Fagundes -, ainda temem represálias e preferem não participar dos encontros. Caio Blat tem conversado nos bastidores com o elenco de “Joia Rara” na tentativa de recrutar colegas para o processo. E mesmo para esta reportagem, a maior parte dos que se dispuseram a falar preferiram manter em segredo a sua identidade.

Hora extra

Nas reuniões, discutem-se questões de hora extra e atrasos nas gravações no Projac. “Há muitas preocupações quanto ao abuso de horários nas gravações, que se estendem demais. Teoricamente, deveríamos receber hora extra, mas a Globo não paga para ninguém porque não há um controle real, como cartão de ponto ou coisa assim. O estúdio começa a funcionar às 13h e fecha às 21h, mas o horário sempre estoura. Além disso, o ator é obrigado a chegar uma hora antes das 13h para se arrumar, fazer a caracterização do personagem, mas esse tempo não é computado na carga horária de trabalho”, explica um ator entrevistado pelo iG, que prefere não ser identificado.

“Mais Você”, “Encontro”, “Vídeo Show”…

As participações nos programas da casa também estão tirando o sono dos atores. Em muitos casos, literalmente. Comenta-se que os artistas estariam interessados em pedir cachês pelas aparições em programas como “Mais Você”, de Ana Maria Braga - que obriga os convidados a estar no Projac bem cedinho, já que o programa entra no ar ao vivo -, “Encontro”, com Fátima Bernardes, “Na Moral”, com Pedro Bial, e o “Vídeo Show”, com Zeca Camargo.

O formato das atrações, que recorre aos atores que estão em alta para atrair audiência, faz engrossar a lista de produções que enviam convites de participação, como já é o caso do “Altas Horas”, de Serginho Groismann, do “Estrelas”, com Angélica, do “Domingão do Faustão”, com Fausto Silva, do “TV Xuxa”, com Xuxa, e do “Caldeirão do Huck”, com Luciano Huck. “A Globo retroalimenta os programas com os atores das novelas e muitos ficam irritados com isso”, comenta o ator global.

José Bonifácio Sobrinho, o Boni, que já foi chefe de direção de programação e produção da TV Globo, explica que a emissora especifica no contrato detalhes sobre a disponibilidade do artista. “Tem gente que tem determinado número de participações, tem gente que assina sem ter obrigação de participar de nada. A participação, quando é promoção da emissora, está incluída nos contratos em geral”.

Contratos 

O ator Jorge Coutinho, presidente do Sindicato dos Artistas do Rio de Janeiro, explicou que os contratos entre atores e emissoras de televisão podem variar de acordo com os interesses de ambos os lados. Há várias formas de contratação, mas as principais são com carteira assinada, com contratos por obra ou por diária de gravação. “A Globo é bem certinha, tudo o que ela quer do artista é especificado em contrato. Mesmo aqueles que são funcionários da casa têm contrato para cumprir. Geralmente, até as participações em programas da casa estão previstos e o ator deve cumprir essa missão de aparecer na televisão”, comentou o presidente.

Como representante da categoria, Jorge já foi convidado a participar de algumas reuniões na emissora carioca. “Já fui a um encontro que tinha até Fernanda Montenegro. As reclamações giram em torno de atrasos nas gravações e até coisas menores, como uma torneira que não funciona ou uma cabeleireira que não tem tanta habilidade”, revelou.

GestCon e acordo de cavalheiros

Os apresentadores da emissora que pediram para não ter os nomes revelados falaram sobre o mal estar nos bastidores. “Alguns atores reclamam e se negam a participar alegando compromissos pessoais ou falta de tempo para descansar. Principalmente aqueles que estão no ar em novelas. Mas qual apresentador não quer um Félix (Mateus Solano) no seu programa? Ele está no auge e dá mais audiência do que um artista que está fora do ar no momento”, comentou um apresentador da casa. “Se o programa é ao vivo, o ator sabe que não vai atrasar, ele só fica enquanto o programa está no ar. Mas se é gravado, aí fica complicado porque é comum o tempo extrapolar a previsão”, continua outro apresentador.

Para não privilegiar nenhuma produção, existe uma política de cavalheiros para os convites aos atores que estão em destaque, como Mateus, Tatá Werneck e outros. “Existe um sistema informatizado chamado GestCon. Assim que o nome é cadastrado para análise, o sistema verifica se outro programa já fez o pedido pelo mesmo convidado. O ‘Esquenta’, por exemplo, é um programa que pede muita gente. O que rola bastante é uma negociação entre as produções. Quem chamar primeiro, ganha”, explica uma ex-produtora da TV Globo. “A primeira função do GestCon é analisar a grade de programação e não deixar que uma participação se repita em mais de dois programas. Existe também uma regra de pausa de cinco dias entre uma aparição e outra”, emenda a ex-produtora.

Mas nem sempre essa premissa é respeitada.Tatá, por exemplo, bateu um papo com Fátima Bernardes no “Encontro” em setembro, tomou café da manhã ao vivo com Ana Maria Braga e mostrou falta de habilidade ao volante no “Caldeirão do Huck” em outubro. Além disso, gravou um chá da tarde com Angélica para o “Estrelas” e uma participação no programa “Altas Horas”, e ambas foram ao ar no último sábado (7).

Fama de antipático

“Sou contrário ao uso excessivo dos artistas, não só em participações de programas, como também em repetições nas novelas, coisas desse tipo. Acho que a gente tem que preservar o talento para que, quando ele apareça no ar, o telespectador fique satisfeito. Tem que dar saudade. Se não tiver saudade de ver aquela pessoa, não tem sentido”, opina Boni.

Uma famosa assessora de imprensa e empresária de artistas contou que seus assessorados globais não são obrigados a ir, mas geralmente não se importam em participar das atrações porque têm interesse em divulgar seus trabalhos. “Mesmo estando cansados, eles acabam aceitando e até aparecendo com cara de sono para não ficar um clima estranho. Nesse meio, quem diz ‘não’ fica com fama de antipático”, pondera a assessora.

Tempo para projetos pessoais

Como é o caso de Fagundes e Caio, a maioria dos artistas toca trabalhos profissionais paralelos à TV, sejam espetáculos teatrais, projetos no cinema ou campanhas publicitárias. Fagundes, que está no ar na novela das oito, viaja a São Paulo semanalmente para apresentar a peça “Tribos”, às sextas, aos sábados e domingos, e depois volta para o Rio para uma nova semana de gravações. Para conseguir administrar os compromissos, ele pediu à produção da trama para não gravar às segundas. Atrasos e pouca antecedência na entrega de roteiros atrapalham essa rotina. “As novelas estão sem frente de capítulos. Hoje, por exemplo, vai ao ar a cena que gravei há menos de uma semana. Há um departamento de pesquisa da preferência do telespectador que reúne informações sobre o futuro dos persoangens de acordo com o público. Dessa forma, alguns autores ficam reféns desses resultados para escrever as cenas que serão melhor aceitas pelo público”, lamenta o ator.

Walcyr Carrasco, autor de “Amor À Vida”, explicou que não tem conhecimento de nada que se refere à produção da novela porque fica “em casa escrevendo”, mas garantiu que se esforça para cumprir os prazos. “Minha novela só teve uma pesquisa, no capitulo 30. E sempre mantive pelo menos 22 capitulos de frente. É essa a antecipação dos capitulos que entrego à produção”, contou.

Para Jorge Coutinho, o movimento liderado por Fagundes deve surtir efeito. “As pessoas podem pensar: ‘Nossa, ele é um dos atores mais bem pagos do país, não deveria estar reclamando’. Mas um ator, principalmente a estrela da novela, trabalha muito. São muitas horas à disposição. Se não há entrosamento entre técnica, produção e artista, se não há preocupação com cumprimento de horários e jornada de trabalho, isso prejudica o trabalho do ator e a própria novela. Os atores têm direito a opinar porque fazem parte do processo. Se não houver disposição e boa vontade por parte do ator, aquilo vai pro ar deixando evidente essa má vontade, essa falta de alegria”, conclui.

A Globo informou por meio de sua assessoria de comunicação que está em contato direto com o elenco. “Mantemos um diálogo permanente e essa é uma troca muito importante. Estamos aprimorando nossos processos constantemente e a contribuição de todos, e do elenco em particular, é essencial para a qualidade do que levamos ao ar”.

Fonte:IG

Compartilhar: