Falso vídeo de ex-presidente Lula apoiando Marina Silva irrita petistas

Ex-presidente faz campanha para a candidata ao Senado Marina Sant’anna, do PT de Goiás, mas montagem dá a entender que o apoio foi gravado para a presidenciável Marina Silva, do PSB

Vídeo de Lula apoiando a candidata ao Senado Marina Sant’anna, do PT de Goiás, foi editado. Foto: Divulgação
Vídeo de Lula apoiando a candidata ao Senado Marina Sant’anna, do PT de Goiás, foi editado. Foto: Divulgação

“Eu conheço a Marina há mais de 30 anos, por isso tenho certeza de que ela é hoje a candidata mais preparada para ajudar a combater as desigualdades sociais”, diz o ex-presidente Lula em um vídeo que se espalhou nas redes sociais nesta quarta-feira e provocou a ira de petistas. O vídeo é verdadeiro, mas foi gravado para a campanha de Marina Sant´Anna, candidata do PT ao Senado em Goiás. O nome do estado, aliás, é a pista para descobrir a fraude: ele aparece nas legendas, mas foi cortado da fala de Lula. Como não aparecem imagens de nenhuma das duas Marinas – nem da petista goiana nem da candidata à Presidência da República do PSB –, o vídeo editado engana. Também foi introduzida o logotipo da campanha do PSB. O autor da montagem não foi identificado – o PSB nega responsabilidade pelo material.

Publicada na internet, a montagem chegou ao comando das campanhas e irritou o PT, que tem na figura do ex-presidente seu maior cabo eleitoral. O PT pediu que o portal Youtube retire o vídeo do ar e vai recorrer à Justiça Eleitoral.

Farsas do tipo, embora reprováveis, são relativamente comuns na internet. O PT reconhece que não há indício de que a montagem foi feita pela equipe de Marina Silva ou por algum integrante do PSB. Mas o partido viu no episódio a oportunidade de provocar um fato político com potencial para atingir, ao menos parcialmente, a candidata do PSB.

Prova disso foi a reação rápida e intensa do PT: o presidente do partido e coordenador de campanha de Dilma, Rui Falcão, convocou uma entrevista coletiva – a primeira dele na campanha até agora – para fazer o anúncio de que a sigla vai acionar a Justiça. “Nós fizemos uma declaração inicial de que a nossa campanha nas redes seria movida por princípios éticos, que nós não difundiríamos informações inventadas, não atacaríamos adversários nem utilizaríamos esquemas de robôs”, afirmou o petista.

Em nota, a coligação de Marina Silva classificou como “tosco” e “fraudulento” o vídeo. “Expediente dessa ordem contraria os princípios éticos que caracterizam a candidata Marina Silva e os partidos que integram nossa coligação, empenhados em uma campanha eleitoral republicana e propositiva”, diz a nota.

Fonte: Veja

Compartilhar:
    Publicidade