Família brasileira é encontrada morta dentro da própria casa na Flórida

Três brasileiros de uma mesma família –um casal e uma criança de dez anos– foram encontrados mortos em sua casa…

Casa no condomínio Eagle Creek, em Lake Nona, perto de Orlando. Uma família de três brasileiros foi encontrada morta na casa onde morava nesse condomínio, no sábado, em um carro na garagem. De acordo com a polícia, as mortes tinham ocorrido há cerca de três semanas. Foto:Divulgação
Casa no condomínio Eagle Creek, em Lake Nona, perto de Orlando. Uma família de três brasileiros foi encontrada morta na casa onde morava nesse condomínio, no sábado, em um carro na garagem. De acordo com a polícia, as mortes tinham ocorrido há cerca de três semanas. Foto:Divulgação

Três brasileiros de uma mesma família –um casal e uma criança de dez anos– foram encontrados mortos em sua casa na Flórida, segundo o jornal britânico “Daily Mail” divulgou nesta segunda-feira. A polícia dos EUA diz acreditar que seus corpos estavam em decomposição há pelo menos três semanas.

Marcio Ferraz do Amaral, 45, sua mulher, Cledione, 34, e sua filha foram descobertos no último sábado quando o dono do imóvel onde a família morava, em Lake Nona, perto da cidade de Orlando, decidiu verificar porque o pagamento do aluguel estava atrasado.

O funcionário enviado até o local pelo proprietário da casa sentiu um cheiro muito forte ao chegar e chamou a polícia, que derrubou a porta. A família estava na garagem, com seus corpos parcialmente em decomposição, dentro do carro.

De acordo com o jornal norte-americano “Orlando Sentinel”, não havia sinais de arrombamento, e agora a polícia tenta descobrir como as mortes ocorreram. A princípio, os corpos não apresentavam ferimentos. Exames de DNA devem confirmar a identidade das vítimas.

Amaral era piloto de uma companhia aérea e Cledione tinha um emprego de meio-período na Disney. Há cinco anos a família vivia no condomínio Eagle Creek, que tem casas de alto padrão e campo de golfe.

“Eles sempre foram muito bons”, disse Gerald Mastro ao jornal dos EUA, locador da casa e amigo da família.

Mastro, morador da região de Chicago, contou também que o casal enfrentava problemas financeiros e tinha o aluguel em atraso há três meses. Em novembro, ele entrou em contato com Cledione para acertar detalhes do pagamento. Como o combinado não foi cumprido, Mastro pediu que um funcionário fosse até o imóvel, quando os corpos foram encontrados.

A assessoria de imprensa do Itamaraty disse que estava em reunião e retornaria o contato sobre o caso assim que possível.

Foto:Uol

Compartilhar: