Família comemora 104 anos da matriarca Otília Pinna com feijoada

A ilustra aniversariante tem quatro filhos, 13 netos, 24 bisnetos e dois tataranetos, entre eles, Caio, que enche a tataravó de mimos

Dn-Otilia---HD

Chegar aos cem anos com disposição e saúde é uma dádiva para poucos. E a sergipana Otília Pinna de Oliveira é uma dessas pessoas. Radicada no Rio Grande do Norte há mais de três décadas, ela comemora 104 anos de vida neste domingo (06), ao lado de seus familiares, que vivem espalhados por vários estados brasileiros. Com uma vida simples, ela revela que nunca seguiu dieta alimentar ou praticou exercícios físicos e nem pensou em alcançar essa idade.

“Nunca imaginei que pudesse alcançar os cem anos, imagine chegar a 104. Sinto uma felicidade muito grande em ter sido agraciada e por poder ver e acompanhar o nascimento de quatro gerações da minha família, que deve ganhar mais um integrante em agosto, quando nascer a minha terceira tataraneta. Nunca fiz dieta ou atividade física, mas trabalhei muito e isso ajudou bastante”, disse.

E a família é grande. São quatro filhos, 13 netos, 24 bisnetos e dois tataranetos, que serão três no próximo mês, com o nascimento da caçula Lara. Para dona Otília, a boa convivência familiar é muito importante para uma vida longeva e que ainda tem disposição para muitas coisas na vida. Um de seus planos futuros é viajar para Salvador, onde morou por 50 anos e cidade escolhida por um de seus filhos, Anatércio Pinna.

“Foi lá que iniciei a minha vida de comerciante, com uma lojinha. Fiquei viúva muito cedo, aos 35 anos, e sustentei meus quatro filhos desse trabalho, que passei para eles quando se tornaram adultos. Só não trabalho mais por causa da idade, mas se deixar, ainda posso fazer muita coisa na vida, porque ainda tenho disposição. Adoro a vida, viver é muito bom”, disse.

Neste domingo, a comemoração em família será no apartamento em que Dona Otília reside com uma de suas filhas, no bairro de Candelária. De lá, ela mantém um de seus hobbies preferidos: contemplar a vida corrida do dia a dia da cidade através dos veículos que transitam freneticamente pela BR-101 e o Parque das Dunas, ao fundo. “Gosto de assistir televisão também”, disse.

Compartilhar:
    Publicidade