Familiares, amigos e fãs lembram um ano da morte do cantor Chorão

Missa em homenagem ao vocalista do Charlie Brown Jr. será realizada na noite desta quinta-feira (6) em Santos

O cantor Chorão, do Charlie Brown Jr, morto em 2013. Foto:Divulgação
O cantor Chorão, do Charlie Brown Jr, morto em 2013. Foto:Divulgação

Familiares, fãs e amigos prestaram homenagens ao cantor Chorão nesta quinta-feira (6), quando a morte do músico completa um ano. Uma missa em sua homenagem será realizada na Igreja Santa Edwiges, em Santos, a partir das 19h.

Fãs também usaram as redes sociais para homenagear o cantor, postando fotos e versos de suas canções. No Twitter, as hashtags #1anosemchorao e #choraoeterno foram as mais usadas pelos internautas.

Chorão tinha 43 anos quando foi encontrado morto em seu apartamento em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, no dia 6 de março de 2013. Laudo oficial determinou que a causa da morte foi o uso exagerado de cocaína, e que o cantor já apresentava um quadro debilitado de saúde, com artérias comprometidas e um edema cerebral.

Na época das investigações, testemunhas disseram à polícia que Chorão passava por forte desgaste emocional por causa do processo de separação da mulher, a estilista Graziela Gonçalves. Com crises de perseguição, ele tivera vários desentendimentos e acessos de raiva nos dias que antecederam sua morte.

Depois do ocorrido, os integrantes remanescentes do Charlie Brown Jr. criaram outro grupo, A Banca. Mas em setembro, os fãs foram abalados por nova notícia trágica: o suicídio de Champignon, baixista do Charlie Brown e vocalista de A Banca.

Em dezembro, o guitarrista Marcão, que tocou nas duas bandas, lançou a faixa “Não Estamos Sozinhos”, em homenagem a Chorão e Champignon.

Conhecido como “Chorão” desde jovem, Alexandre Magno Abrão ganhou o apelido porque ficava assistindo garotos mais velhos andando de skate – e um deles disse para que ele não chorasse. Apaixonado pelo esporte, ele criou uma pista na cidade de Santos, desativada após sua morte, por problemas financeiros.

O músico nasceu em São Paulo, mas se mudou ainda jovem para Santos, onde se tornou vocalista do Charlie Brown Jr. Criada em 1992, a banda lançou nove discos de estúdio e teve diversas formações – Chorão foi o único a integrar todas elas.

O sucesso veio em 1997, com o lançamento do álbum “Transpiração Contínua Prolongada”. Canções como “Proibida Pra Mim (Grazon)”, “Tudo o que ela Gosta de Escutar”, “Gimme o Anel” e “O Coro Vai Comê!” caíram no gosto do público, principalmente o jovem, e fizeram com que o disco vendesse mais de 500 mil cópias.

Outros hits da banda são “Te Levar”, “Zóio de Lula”, “Rubão”, “Hoje eu Acordei Feliz”, “Lugar ao Sol”, “Papo Reto (Prazer é Sexo, o Resto é Negócio)”, “Não é Sério”, “Só Por Uma Noite”, entre outras.

A trajetória da banda foi marcada por disputas e brigas entre os integrantes. A mais grave ocorreu em 2005, quando Marcão, Renato, Pelado e Champignon deixaram o grupo alegando divergências musicais. Chorão seguiu em frente com uma nova formação, convocando também Thiago Castanho, que participara dos primeiros álbums.

Depois da reconciliação, os músicos voltaram a tocar juntos. Com o Charlie Brown Jr., Chorão vendeu 5 milhões de discos. O roqueiro também assinou dois roteiros e pretendia escrever uma biografia.

Em outubro do ano passado, já depois das mortes de Chorão e Champignon, foi lançado “La Familia 013″, o último e mais maduro disco do Charlie Brown Jr.

Fonte:IG

Compartilhar: