Famosos e notórios

O renomado MIT – Massachusetts Institute of Technology, dos EUA, cujos estudantes inventam de tudo, do mais sofisticado equipamento científico…

O renomado MIT – Massachusetts Institute of Technology, dos EUA, cujos estudantes inventam de tudo, do mais sofisticado equipamento científico a mais boba equação para provar que os viajantes do tempo já estão entre nós, acaba de criar um novo algoritmo.

Para quem não sabe ou esqueceu, um algoritmo é uma fórmula que nos mostra detalhadamente os procedimentos para resolver uma tarefa, uma sequência lógica, finita e bem definida das instruções a seguir. No gol de Arthur Maia, parece que foi assim.

Pois bem, o conceituado instituto, então, resolveu estabelecer quem seriam as pessoas mais famosas do mundo em todos os tempos, classificadas por países. O período até aqui infinito, desde os primórdios da História, foi chamado pelo MIT de Pantheon.

O resultado conseguido no algoritmo criado mostra que enquanto o resto do mundo glorifica suas figuras históricas, nós, os brasileiros, só entendemos como fama e glória os desportistas. Daí vem a mania de besta de achar que Copa é melhor do que Nobel.

Na lista dos dez (10) brasileiros mais famosos de sempre (como dizem os lusos), estão sete (7) jogadores de futebol, um piloto de Fórmula Um, um escritor e um político. Encabeçando o time, o rei Pelé, seguido dos dois Ronaldos, fenômeno e gaúcho.

Na quarta posição vem Paulo Coelho, com Ayrton Senna em quinto, Kaká em sexto, Rivaldo (recém aposentado) em sétimo, Zico em oitavo, Garrincha em nono e o petralha-mor Luiz Inácio fechando o rol das figuras mais importantes do Brasil.

Na lista dos nossos hermanos vizinhos, o guerrilheiro comunista Che Guevara lidera a relação, onde o craque Lionel Messi está à frente de Maradona em segundo lugar. O casal Evita e Perón divide a quarta e quinta posições, com o mito Borges em sexto.

Em Portugal, o navegador Vasco da Gama é o primeirão da fila; o segundo é Fernão de Magalhães e o terceiro é Cristiano Ronaldo. Seguem o navegador Bartolomeu Dias e Antonio de Pádua, o santo que segura Jesus no clássico quadro de Stephan Kessler.

Em Israel e Palestina, os famosos são quase todos personagens bíblicos, respectivamente Salomão, Maria, João Batista, Maria Madalena e Isaac; depois Jesus, o rei David, São Jorge, o historiador Heródoto como exceção da lista e São José.

Na relação da França, destaque total para os vultos historicamente essenciais: Napoleão Bonaparte, Joana D’Arc, Descartes, Voltaire e Pascal. O mesmo padrão na lista da Itália com Leonardo Da Vinci, Julio Cesar, Archimedes, Michelangelo e Augusto.

Nos EUA, uma mistura típica: Martin Luther King, Elvis Presley, Walt Disney, Benjamin Franklin e Edgar Allan Poe. Já a Rússia mesclou política, literatura e música o quinteto famoso formado por Lênin, Dostoyevsky, Tolstoi, Pushkin e Chekov.

Como nossos conceitos de fama e notoriedade se firmam sempre na futilidade, Rubinho Barrichello está à frente de Getulio Vargas, Neymar supera Dom Pedro II, e Robinho (pasmem) ganhou de Heitor Villa Lobos. Ah, Dilma Rousseff é apenas 24ª da lista.

Mas, nem tudo está perdido. O lixo cultural do país no momento não ganhou destaque no algoritmo do MIT. Nada de Anitta, Luan Santana, Faustão, Valeska Popozuda, Gusttavo Lima, MC Naldo, Claudia Leite, Gaby Amarantos e lutador de UFC. (AM)

 

Esperteza

Dificilmente o PT caminhe junto com o PSD na coligação proporcional, me disse ontem um velho militante da legenda. O partido de Robinson só é interessante para dar um palanque e minutos de TV para Fátima Bezerra, única coisa que interessa aos petistas.

Vendilhões

A Câmara Federal mereceu ser fechada três vezes pelos militares. Ontem, provou que é um ambiente insalubre, um templo de conveniências pessoais e um bazar de negociar escrúpulos. A aprovação do Marco Civil do PT é um golpe na jovem democracia.

PassaDilma

O Jornal Nacional destacou em longa matéria o tema abordado em meu artigo aqui, na edição de ontem, sobre o esquema fraudulento da venda da refinaria em Pasadena para a Petrobras por um grupo controlado pelo bilionário belga Alfred Frére.

Nepetismo

É manchete no Estadão de hoje: o senhor Sergio Gabrielli, quando presidente da Petrobras à época do esquema em Pasadena, nomeou seu primo para dirigir a estatal brasileira nos EUA. É o nepotismo companheiro, ou nepetismo, do jeitinho petralha.

De Dora Kramer

“Na tentativa de afrouxar o nó em que se enroscou ao dizer que, quando ministra da Casa Civil, aprovara um negócio milionário na Petrobrás com base em relatório incompleto, a presidente Dilma Rousseff complica a cada dia a narrativa do Palácio do Planalto”.

Caos

Duas centenas de militantes vagabundos do MST ocupam grandes rodovias de São Paulo paralisando a maior metrópole da América Latina e não há uma tropa para contê-los. O Brasil está entregue à balbúrdia orquestrada por falsos movimentos sociais.

Caos II

Em Santa Catarina, estudantes invadiram e tomaram a reitoria da universidade em protesto pela prisão de cinco colegas flagrados consumindo maconha. Foi-se o tempo em que fumava-se maconha fora da reitoria para não atrapalhar a luta estudantil.

Ditadura

Na Venezuela bolivariana, o governo do caminhoneiro analfabeto matou 34 pessoas em apenas 50 dias. Durante os 21 anos do regime militar brasileiro, morreram oficialmente 216, sendo que 90% eram guerrilheiros e terroristas em guerra contra o governo.

Agora vai

Li ontem aqui no JH que existe um “movimento” organizado para boicotar a chapa Henrique Alves-Wilma de Faria. É uma coisa meio “maoista”, vinda do interior para a capital, liderada por um cara chamado Leleu Fontes, vereador lá de Caicó.

Muita pressão

Não está sendo fácil para o deputado Henrique Alves consolidar sua candidatura. Vem recebendo pressões terríveis. Antes do Leleu Fontes, houve também o carão de Cid Montenegro, a crítica de Fernando Lucena, sem falar dos blogues progressistas.

Compartilhar: